sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Envio: Padre Marcelo Rossi - Parábolas que transformam vidas - txt - anexo


PARÁBOLAS
QUE TRANSFORMAM
VIDAS
Pd. MARCELO ROSSI
Introdução:
Este livro responde a um apelo que muitas pessoas fizeram ao Pd. Marcelo M. Rossi, insistindo que escrevesse as histórias utilizadas por ele em suas instruções
e
na formação religiosa dos fiéis que freqüentam o Santuário do Terço Bizantino. Quero manifestar a alegria em ver tantas pessoas chegarem a um sentido mais profundo
da vida, através destas histórias tão simples e cativantes.
As histórias, contadas em vista de uma realidade concreta, nos ajudam a compreender a mensagem que se deseja transmitir, ou melhor, nos predispõem a abrirmos o coração
para as verdades comunicadas pelo Senhor e a traduzi-las em nosso cotidiano. São como símbolos que apontam para algo maior e atestam a vontade de conhecer sempre
mais e de modo mais amplo a Palavra de Deus. Por isso mesmo parabenizo o fato de se ter colocado, na abertura de cada uma destas histórias, uma passagem bíblica,
que constitui uma referência iluminadora e fundamental, para a qual elas nos desejam orientar.
Rogo as bênçãos de Deus sobre o autor e os leitores desta obra, para que possam, através dela, buscar viver sempre mais perto de Deus reconhecendo sua bondade e
seu amor para conosco.
D. Fernando A. Figueiredo
Bispo de Santo Amaro-SP.


Prefácio:
Desde o ano passado no programa "Momento de fé", transmitido pela Rádio Globo, eu pedi às pessoas que me enviassem historinhas que tinham tocado suas vidas. Recebi
centenas e centenas de breves e belíssimas histórias. Li muitas delas em nossos programas e selecionei outras que compuseram este livro.
São histórias que se contam por aí, creio mesmo que muitas podem ser encontradas na "internet". Algumas me impressionaram, por trazerem uma mensagem de vida, e que
nos levam a uma atitude de vida em relação a Deus e aos nossos semelhantes. Histórias que não só nos emocionam, mas nos interrogam e nos levam a crescer num sentido
mais profundo da vida. Eis a razão pela qual escolhi dar como título desta obra: Parábolas, pois me vinha à mente as histórias que Jesus contava ao povo para levá-lo
a uma nova vida em Deus.
"Parábolas que transformam vidas", é o título deste livro para o qual rogo as bênçãos do Senhor. Que ele possa ser um instrumento digno de evangelização e, na graça
Divina, uma força interior de transformação. Por esta razão, no início de cada história, há sempre uma passagem bíblica inspiradora que deve iluminar toda nossa
leitura. No final há um pensamento de um santo da Igreja, ajudando-nos a seguir sempre mais os passos do Divino Mestre.
Quero agradecer minha irmã Marta, pela ajuda na escolha das histórias e o apoio do meu bispo D. Fernando Antônio Figueiredo, para cujas obras diocesanas destino
parte do resultado da venda desta obra. A outra parte é destinada às obras do Santuário.
Que este livro seja uma ajuda em sua oração diária e você experimente, em cada história, o quanto Deus ama você.
Pd. Marcelo M. Rossi

Disse Jesus: "Não julgueis e não sereis julgados. Pois com o juízo com que julgardes, sereis também vós julgados; e com a medida com que tiverdes medido, também
vós sereis medidos".

1 O PEDREIRO

Antônio era um funcionário dedicado, que estava prestes a se
aposentar. Ele foi um dos primeiros a trabalhar na maior construtora
da região. O dono dessa construtora muito famosa, era justo e
bondoso, e quis fazer uma surpresa a seu funcionário.
Ele chamou Antônio em sua sala e lhe disse: "Antônio, eu tenho
uma missão muito especial para você. Eu quero que seja construída
uma casa com muito capricho, usando o melhor material. Não se
preocupe com o custo. Que nada falte a esta casa, pois é um presente
especial que quero dar a uma pessoa muito querida... Ah, e faço
questão de lhe pagar à parte por esta construção".
Antônio ficou aborrecido, e disse consigo mesmo: "Justo agora
que ia me aposentar, serei obrigado a construir esta casa. E logo
uma casa tão especial, que o próprio dono pediu para ser a melhor
que eu já fiz".
Muito irritado, começou a construir a casa, mas sem cuidado
nenhum, usando até material de segunda. A raiva que ele estava do
patrão era tão grande, que em pouco tempo, terminou a pior casa
que já havia feito em sua vida.
Antônio foi falar com o dono da construtora, para receber o seu
dinheiro e ficou surpreso, quando foi convidado para, na semana
seguinte, entregar a chave ao novo proprietário.
Era um domingo, vários funcionários lá estavam quando Antônio chegou. Havia um palanque montado e uma multidão o aguardava.
Convidado a subir no palanque ao lado do dono da construtora, Antônio ouviu as primeiras palavras que ele
disse: "Esta casa foi construída pelo meu melhor funcionário
e com o melhor material já utilizado. Apesar de ter se aposentado na semana passada, mesmo assim, ele a construiu
com amor como sempre o fez". Quando Antônio olhou
para trás, viu que lá estavam sua esposa, filhos e netos. O dono da construtora prosseguiu dizendo: "Como presente de aposentadoria eu quero lhe
dar a melhor casa
já construída por você". Antônio recebeu a chave e começou a chorar! Quantas vezes,
com Deus e com os irmãos, nós agimos da mesma maneira
"Vamos diariamente oferecer o melhor de nós, avançando em direção a Deus, libertando-nos da posse dos frágeis valores deste mundo."
(S. Agostinho)

"Dá esmola dos teus bens, e não te desvies de nenhum pobre, pois, assim fazendo, Deus tampouco se desviará de ti.
Sê misericordioso segundo as tuas posses. Se tiveres
muito, dá abundantemente; se tiveres pouco, dá desse pouco de bom coração. Assim acumularás uma boa recompensa para o dia da necessidade: porque a esmola livra
do pecado e da morte."

2 O MUNDO PEQUENO:
Esta história se passou na Inglaterra, no início do século XX. Um homem muito rico vivia em sua mansão, cercada de um jardim florido, e um grande lago que se podia
avistar de dentro da casa. Em uma manhã, apreciando a paisagem da sacada de seu quarto, viu seu filho atravessando a ponte sobre o lago, e no momento seguinte presenciou
a pior cena de sua vida. Seu filho, ainda pequeno, caiu dentro do lago.
O pai desesperado saiu correndo, gritava por socorro, mas nada podia fazer. Ao se aproximar, ele viu o seu filho nos braços do jardineiro, que acabara de tirá-lo
de dentro da água e tentava reanimá-lo. Após voltar a si, o menino chorou muito assustado. O pai, emocionado ao ver o seu filho a salvo, diz ao jardineiro: "Meu
amigo, o que você acaba de fazer não tem preço. Portanto, o que me pedir, eu lhe darei. Até mesmo, metade da minha fortuna, se assim você quiser".
O jardineiro, vendo a alegria do pai disse: "Senhor, eu não fiz nada que outra pessoa não o faria. Estava por perto, e tenho certeza, se fosse o meu filho o senhor
faria o mesmo."
O patrão insistiu com ele: "Por favor, peça alguma coisa, eu quero retribuir seu ato heróico. Você salvou a vida
de meu único filho." Tanto insistiu, que o jardineiro,
um pouco envergonhado, disse: "O senhor sabe que tenho um filho que gosta
muito de estudar, e eu não tenho condições de pagar o seu estudo. Se for possível, ajude
meu filho nos estudos".
Feliz por saber que poderia retribuir de alguma forma, providenciou as melhores escolas para o filho do jardineiro. Muitos anos depois, o patrão já estava com bastante
idade, e ficou doente. Sua enfermidade não tinha cura. Sendo ele, um homem muito rico, ofereceu metade de tudo o que tinha para quem conseguisse curá-lo.
Muitos médicos, entre eles, grandes especialistas se apresentaram a ele, mas ninguém conseguia conter a sua febre. Durante uma das visitas que recebeu, um famoso
professor lhe falou sobre um jovem cientista médico, que estava fazendo uma pesquisa avançada a respeito daquela doença.
O jovem cientista foi localizado, e dois dias depois se apresentou ao homem enfermo. Ao vê-lo, o homem já desenganado, fez o apelo por sua cura, oferecendo-lhe metade
de seus bens. O jovem respondeu-lhe: "Eu estive na guerra pesquisando esta enfermidade, e descobri que através do mofo podemos chegar à cura. Ainda não testei os
resultados em um ser humano, somente em cobaias de laboratório. Ainda faltam alguns testes, para podermos assegurar que terá efeito". O homem, em total desespero,
sabendo que seu fim estava próximo, se apresentou como cobaia, assumindo todos os riscos. O jovem cientista começou uma série de aplicações, e um mês depois, o homem
já estava curado. Cheio de saúde, o rico homem deu uma grande festa, para comemorar o seu reestabelecimento. Quando a maioria dos
convidados já estava presente, o homem pediu um minuto de atenção, tomou a palavra e disse: "Hoje, é um dia muito importante para mim. Este jovem cientista, desenvolveu
a cura para a minha infecção. O prêmio que you lhe dar, não é nada perto das vidas que serão salvas".
"O senhor não me deve nada. Eu já tenho tudo o que quero. Não fiz isto pelo dinheiro e sim pela humanidade", respondeu-lhe o jovem. "Mas eu insisto que aceite esta
fortuna, você a merece". Nesse momento, o jovem cientista olha nos seus olhos, e pergunta: "O senhor não está me reconhecendo? Eu sou Alexander, o filho do seu jardineiro.
Foi a mim que o senhor pagou os estudos. O grande prêmio pela sua cura, o senhor já me deu há muitos anos."
Jesus disse: "Para os que têm, será dado". Deus dará mais para aqueles que repartem o que têm, do que para os que só têm recebido. Ele ainda acrescentará muito ao
que já deu.
(S. Agostinho)

"Se porém, o teu coração se afastar, se não obedeceres e te deixares seduzir para teprostrares diante de outros deuses e adorá-los, perecerás seguramente."

3 O ALPINISTA
Um homem tinha um grande sonho, e durante anos treinava para
realizá-lo. Escalar a montanha KX, a segunda maior do mundo,
onde muitos haviam morrido na ânsia de chegar. Este era o seu
grande sonho!
Ele sabia da dificuldade que enfrentaria, mas por ser orgulhoso,
queria as glórias de alcançar o topo da montanha sozinho, feito
inédito até então.
Chegado o grande dia, o alpinista começou sua escalada rumo
ao pico, e escolheu o lado mais difícil e perigoso. Apesar do seu
preparo físico, o cansaço o venceu quando estava quase atingindo
o pico da montanha.
Escorregando, começou a cair muitos metros pela encosta, até que
um dos ganchos que ele havia colocado para sua segurança o
sustentou. Ali, ele ficou pendurado, bastante machucado, por horas
seguidas, à espera de uma equipe de salvamento.
Já era noite, e uma neblina intensa encobria a montanha. No
desespero de salvar-se e sem saber em que altitude se encontrava,
ele gritou aos céus pedindo socorro: "Deus, se você existe, me
ajude agora"! Não obteve nenhuma resposta, e mais uma vez ele
clamou: "Deus, para quem minha mãe tanto rezou, se você existe,
me socorra"! Nesse instante, uma voz forte respondeu: "Você me
chamou meu filho?"
O alpinista desconfiado, porém muito assustado, perguntou: "Quem
está falando?"
"Você não me chamou? Eu existo sim, e estou aqui para ajudá-lo",
respondeu a voz em tom acolhedor.
"Então Deus, me ajude a sair desta situação, caso contrário
morrerei" - o desespero já tinha tomado conta do alpinista, tão
confiante das suas habilidades.
"Você lembra daquele presente que sua mãe lhe deu no seu último
aniversário? - perguntou Deus a ele.
"Aquele canivete todo especial? Sim, está aqui comigo!"
"Pois bem, disse Deus, pegue-o agora e corte esta corda que lhe
segura. Pode confiar em mim"!
Fez-se um grande silêncio, o alpinista pensou, pensou...
No dia seguinte o encontraram morto, agarrado à corda a
exatamente um metro, isso mesmo, a um metro de distância do
chão.
Ele não confiou em Deus, e você?

"Compreendi que, acima de minha parca e mutável sabedoria, havia uma verdade eterna, imutável. Atentei, então, para o fato de que tal verdade é Deus." (S. Agostinho)

"Meu filho, se aceitares minhas palavras, e guardares Para ti meus preceitos, prestando ouvidos à sabedoria e inclinando o coração à prudência; se invocares a inteligência
e clamarei Pela prudência; se a procurares como o dinheiro e a desenterrares
como um tesouro; então compreenderás o temor do Senhor e alcançarás o conhecimento
de Deus."

4 A RESPOSTA
Numa viagem para sua terra natal, um homem de muita fé e oração, dirigia seu carro quando foi surpreendido por uma enchente. A barragem de uma grande represa havia
rompido e o local estava todo alagado. A situação era séria, e ele dirigindo seu carro, subiu num lugar alto.
A água continuou subindo, e o lugar onde ele estava abrigado, não seria seguro por muito mais tempo. Então apareceu um rapaz num caminhão, e o alertou para o perigo
de estar ali, oferecendo-se para tirá-lo do local.
Para sua surpresa, o homem lhe respondeu: "Muito obrigado, mas eu tenho fé e o meu Deus vai me salvar. Não se preocupe comigo". Passado algum tempo, já com o local
totalmente alagado, passou uma lancha que acenava para que ele saísse do carro, para salvarse. Outra vez, ele disse não necessitar de ajuda, pois era um homem de
muita fé, e Deus não iria desampará-lo. A água subiu tão rapidamente, que ele teve que refugiar-se no teto do carro, que já começava a ser carregado pela correnteza.
Um helicóptero de resgate sobrevoando o lugar, jogou uma bóia amarrada a uma corda, mas ele gritou bem alto: "Eu não preciso, eu tenho fé, Deus vai me salvar"! Em
pouco tempo, a enxurrada levou o carro, e o homem de tanta
fé morreu afogado. Já no céu, muito triste ele pergunta a Deus porque não foi salvo.
"Senhor eu tinha tanta fé, por que me deixou morrer afogado?". "Meu filho, eu não queria que você morresse afogado. Tanto, que tentei salvá-lo três vezes". - Respondeu
Deus para ele. "Três vezes Senhor, como?" - ele perguntou. "Eu enviei um rapaz para alertá-lo, mas você não o ouviu. Depois mandei uma lancha, e você não aceitou
ajuda. Por fim mandei um helicóptero de resgate, mas você também recusou a ajuda". Quantos de nós estamos surdos e cegos para os sinais de Deus, e não somos capazes
de reconhecer quando Deus age através de um irmão!
"Os que ainda são novos e sem experiência no caminho do Senhor, facilmente podem enganar-se e perder-se, se não se deixarem reger por aqueles que têm luz e experiência."


"Disse-lhe Jesus: Deixai vir a mim estas criancinhas e não as ímPeçais, porque o Reino dos céus é para aqueles que se lhes assemelham."


5 O DESCONHECIDO:
Um homem sem fé conheceu uma mulher numa boate. Começaram a namorar, e
saíam muito à noite buscando diversão, assim começou este relacionamento. Muitas festas,
boates, restaurantes. Desfrutavam de todos os prazeres da carne, mas se descuidavam do espírito.
A mãe deste homem era uma mulher de muita fé, e não concordava com a vida que ele levava. Ela sempre rezava pelo seu filho, mas infelizmente não conseguia fazê-lo
se aproximar de Deus. Depois de algum tempo, os namorados que se diziam ateus, passaram a viver juntos e tiveram uma filha. A menina foi crescendo sem jamais ouvir
falar em Deus. Sua avó faleceu e, dessa forma, mais distante ficou a possibilidade dela ter uma
indicação religiosa. Quando a menina tinha cinco anos de idade, estavam
todos em casa jantando, e ela presenciou uma briga entre seus pais. Depois de muitas agressões e palavrões, o pai sacou uma arma e atirou na mãe, suicidando-se em
seguida.
Sem ter mais ninguém que pudesse ser responsável por ela, a menina foi enviada a um lar adotivo. Ela viveu neste lar, até que uma família decidiu adotá-la. Eles
eram pessoas muito religiosas e freqüentavam a Igreja semanalmente.
Sua nova mãe, resolveu então levá-la à igreja para que ela começasse a
conviver e aprender sobre as coisas
de Deus. Nesse dia a mãe explicou à catequista que a menina jamais havia escutado falar de Jesus, e que por essa razão, tivesse paciência com ela.
A catequista pegou uma imagem de Jesus e perguntou a todos: "Alguém sabe quem é Ele?". A menininha muito rapidamente respondeu: "Eu sei, eu sei, esse é o homem que
eu estava segurando em minha mão, na noite em que meus pais morreram..."
Mesmo sendo desconhecido para ela, Jesus a estava protegendo.
Aqueles que têm olhos para
ver e ouvidos para ouvir, compreendem o que o Senhor nos mostra...
"Quem acha a Jesus, acha um tesouro precioso, ou antes, um bem acima
de todo o bem."

"Seja este o objeto de tuas prescrições e dos teus ensinamentos. Ninguém te despreze por seres jovem. Ao contrário,
toma-se modelo para os fiéis, no modo de falar
e de viver."

6 CONSERTANDO O MUNDO:
Um cientista que trabalhava para solucionar vários problemas no mundo, recebeu em seu escritório, a visita do filho. A criança não parava quieta um minuto, mexia
aqui e lá, e como o pai não conseguia contê-lo, teve uma idéia. Deparou-se
com uma revista onde tinha o mapa do mundo e disse ao seu filho:
"Você gosta de quebra-cabeça? Então you lhe dar o mundo para consertar. Aqui está ele todo quebrado. Veja se consegue consertálo bem direitinho! Mas faça tudo sozinho!"
Pelos seus cálculos, o menino levaria o dia inteiro para recompor o mapa do mundo, que ele havia recortado da revista. Depois de uma hora, o filho o chama calmamente.
"Papai, já terminei tudinho!", disse ele.
A princípio, o pai não deu crédito às palavras do filho. Seria impossível na sua idade, conseguir recompor um mapa que jamais havia visto. Relutante, o cientista
foi ver, e para sua surpresa, todos os pedaços (e não eram poucos) foram colocados nos devidos lugares.
Como seria possível? Um menino de apenas 7 anos seria capaz de tal feito?
Curioso e intrigado com sua atitude, o pai perguntou: "Filho, se você não sabia como era o mundo, como conseguiu montá-lo?". "Pai, eu não sabia como era o mundo,
mas quando você tirou o papel da revista para recortar, eu vi que do outro lado havia uma figura de um homem. Quando você me deu o mundo para consertar, eu tentei,
tentei mas não consegui. Foi aí que eu me lembrei do homem, virei os recortes e consegui consertar o homem que eu sabia como era. Quando consegui consertar o homem,
virei a folha e vi que havia consertado o mundo.
"Quando o homem começa a vencer-se e a andar com valor no caminho de Deus, logo tem por ligeiras as coisas que antes lhe pareciam pesadas."


"Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus!"


7 ORAÇÃO DO ZÉ:
No interior de Minas Gerais, vivia um homem que se chamava José. Todos os dias antes de trabalhar na lavoura ele passava na igreja local, entrava, ia ao sacrário
e se ajoelhava. Depois saía para trabalhar.
Todos os dias lá estava ele, fazendo o mesmo ritual, entrava se ajoelhava e ia embora. O padre que observava sua atitude, foi perguntar porque rezava tão rápido,
e a resposta foi imediata: "Eu não sei ler nem escrever. Não conheço as orações que vocês conhecem e muito menos sei falar as palavras bonitas que falam. Eu somente
chego aqui em frente, olho para Ele e digo: Jesus, aqui
é o Zé.
E assim se passaram anos e anos até que um dia Zé não apareceu.
Depois de uma semana, o padre preocupado procurando saber
notícias do Zé, descobriu que ele havia sido atropelado e estava
internado no hospital.
O padre foi então visitá-lo, mas antes procurou uma enfermeira
para saber como ele estava.
"O Zé está muito bem! O impressionante é que desde que ele chegou
aqui todos estão muito felizes e se recuperando mais!".
O padre entrou em seu quarto e perguntou: "Zé, o que você fez
para motivar todos aqui?".
"Eu não fiz nada, é a visita que eu recebo todos os dias", respondeu.
O padre sabia que ele não tinha família, amigos ou pessoas que se
preocupassem com ele, mas ainda assim perguntou:
"Que visita tão maravilhosa é essa?"
com um grande sorriso no rosto ele respondeu:
"Todos os dias exatamente no horário em que eu ia à igreja, Jesus
chega bem perto da minha cama e diz: Zé, aqui é Jesus."
"O homem tem duas asas com que se levanta acima das coisas terrenas, que são simplicidade e pureza."

"Tu que habitas sob a proteção do Altíssimo, que moras à sombra do Onipotente, dize ao Senhor: Sois meu refúgio e
minha cidadela, meu Deus, em que eu confio. Ele
te cobrirá com Suas plumas, sob Suas asas encontrarás refúgio."


8 A CONFIANÇA

Os professores de um famoso colégio alugaram um barco para levar todos os alunos para um passeio pela costa carioca. Todos estavam muito felizes e mal podiam esperar
por aquela grande aventura. Logo pela manhã de um sábado ensolarado, o barco zarpou do porto. As crianças estavam se divertindo, os adolescentes brincando muito,
os professores tendo muito trabalho. Por volta das 17 horas, quando já
retornavam para o porto, um forte cheiro de queimado deixou preocupada a diretora do colégio.
Meia hora depois ouviu-se um forte ruído seguido de uma explosão. O motor do barco havia explodido. Foi um pânico geral, gritaria, busca de botes salva-vidas, bóias,
etc...
Os professores acalmavam e reuniam os alunos que estavam desesperados para sair do barco.
Uma das professoras observou, nesse momento, uma menina de 7 anos, olhando para o horizonte, tranqüila, apreciando o bonito pôrdo-sol.
Ela foi até à criança pedindo para que se juntasse aos outros alunos e perguntou se ela não estava
com medo. Sorrindo calmamente a menina respondeu "O meu pai
está no leme, ele é o capitão".
Ela sabia que se houvesse um perigo seu pai estaria lá para salvála. E você sabe, no meio da tempestade, quem é o capitão da sua vida...
"Em Deus colocamos nossa esperança e refúgio. Em Suas mãos deixamos todas as nossas tríbulações e angústias, pois longe de Deus tudo é fraqueza e inconstância."


"Considerai que é suma alegria, meus irmãos, quando passais por diversas provações, sabendo que a prova da vossa fé produz a paciência. Mas é preciso que a paciência
efetue a sua obra, a fim de serdes perfeitos e íntegros, sem fraqueza alguma."


9 O PARTO DA GIRAFA

Um certo dia, assistindo a um programa na TV, vi, no princípio, assustado, o parto de uma girafa.
É impressionante esse nascimento. Primeiro ela escolhe um lugar para parir e, de pé, tem seu filhotinho. Ele cai mais de 2 metros, e com muita dificuldade se levanta.
Em seguida, sua mãe lhe dá um chute e ele cai, e essa cena se repete por várias vezes. O filhote se levanta e a mãe o derruba, até à hora em que ela percebe o cansaço
do filhote e pára de derrubá-lo.
Enquanto isto acontecia, o narrador do programa explicava que não era intenção da girafa machucar seu filhote, mas sim, protegêlo. São diversos os predadores que
atacam a girafa, e desde o nascimento ela deve aprender que, em suas pernas e no saber se erguer quando está caída, é que está o segredo da sobrevivência. E nós?
Quantas vezes somos derrubados pelo pecado, o maligno. Não somos filhos da girafa, mas sim, filhos AMADOS de Deus. Se você está no chão, derrubado pelas dificuldades
da vida, levante e saiba que o amor de Jesus erguerá sua vida.
"Muito perto está de cair, aquele que não põe em Deus todo o seu cuidado."

"Amai-vos mutuamente com afeição terna e fraternal. Socorrei as necessidades dos fiéis. Abençoai os que vos
perseguem! abençoai-os e não os amaldiçoeis. Alegrai-vos
com os que se alegram. Vivei em boa harmonia uns com os outros".


10 ECO


Uma família resolve aproveitar o final de semana para passear. Pai,
mãe e filho vão acampar.
Durante o trajeto, o menino que estava aprendendo a ler, seguia
lendo todas as placas de sinalização. De repente, em uma das placas
ele viu escrito ECO e perguntou ao pai o que aquilo significava.
O pai lhe responde: "Filho, eco é... melhor, vamos até lá e você vai
entender".
Desviando um pouco do caminho, chegam numa grande cordilheira,
param o carro e descendo com seu filho o pai lhe diz:" Filho aqui
está o eco, fale o que você quiser".
O menino então grita: "Burrrrro", e passado algum tempo ele
escuta:" Burrrro, Burrrro, Burrrro...".
Ele não gosta do que ouviu e diz: "Feiiiiiooo" e de novo escuta:"
Feeeeeiiooo, feiiiooooo, feiiiüiooo,...".
Imediatamente ele começa a gritar palavrões que voltam para ele
multiplicados.
Num certo momento, ele olha para o pai e lhe diz: "Pai, eu não
gostei do eco pois ele é muito mal-educado".
Seu pai sorri e grita: "Eu teee aaaamooo" e o eco responde:" Eu
teee aaammoo, euuu ttee aammoo, eu tttee aammmo...
Você é importante para mim....Voocccê é importante para mim" e
muitas outras palavras.
Abaixando-se, ele olha para seu filho e diz: "Eco, meu filho, é isso!
Eu sei que você ainda é pequeno mas acho que já pode entender
que tudo aquilo que você deseja e faz para os outros retorna para
você multiplicado".
O que estamos desejando e fazendo para os outros?????

"Cultive em você a planta do amor, pois dela só poderá vir o que é verdadeiramente
bom." (S. Agostinho)

"Vivei sempre contentes. Orai sem cessar. Em todas as circunstâncias, dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Jesus Cristo".


11 O DOM QUE RECEBEMOS

Armando era um homem revoltado, reclamava de sua vida e não parava de queixar-se de sua sorte. Seu principal problema era a sua casa que, segundo ele, mal comportava
a sua família. Ele era muito infeliz.
Um dia chegou um novo sacerdote na cidade, assumindo a direção da paróquia. Era considerado uma pessoa muito sábia e tinha a fama de ser um santo homem. Armando
desesperado foi aconselhar-se com o padre e contou toda a sua "penúria". Ao ouvilo, o sacerdote disse que tinha a solução para os seus problemas, mas ele teria
que ser obediente para alcançar a felicidade. Armando prometeu obediência, e disse que concordaria com tudo o que o padre lhe pedisse.
O sacerdote falou:" Eu sei que você tem um boi, coloque-o dentro de sua casa."
Armando reclamou: "Mas, minha casa mal acomoda a minha família!"
Lembrando-se de que prometera obediência, colocou o boi dentro da casa.
Depois de uma semana de tormentos, não agüentando mais, foi falar com o padre. "Minha vida está mais insuportável ainda" disse Armando. "Você também tem um bode,
certo? Coloque-o junto com o boi em sua casa".
Não entendendo o objetivo de tudo isto, mas confiando no padre Armando obedeceu.
Sua família estava em crise, foram outros dias terríveis e, Já não
agüentando mais, de joelhos implorou ao padre:
"Pelo amor de Deus, está insuportável esta situação! Minha casa
parece um inferno!!"
Então o sacerdote lhe disse: "Pois bem, esta noite você pode retirar
os animais, limpar bem a casa, e o seu problema estará resolvido".
Depois de tirar os animais, limpar a casa e colocar tudo em ordem,
Armando se surpreendeu como sua casa era confortável e
espaçosa. Agradeceu a Deus pelo lugar abençoado que tinha para
viver.
Quantas e quantas vezes reclamamos pelo que não temos, e não
agradecemos pelo que possuímos.
"Seja grato ao Senhor pelo pouco que tens e serás digno de receber coisas maiores."

"Porque a sabedoria abriu a boca aos mudos, e tornou eloqüente a língua das crianças."


12 FAZER A DIFERENÇA

Um famoso escritor se refugiou numa ilha de pescadores na intenção de escrever um livro. Todas as manhãs, ele caminhava pela praia para relaxar e buscar a inspiração
e ao entardecer começava a escrever.
Numa certa manhã, algo lhe chamou a atenção. Um vulto ao longe parecia bailar e, curioso, ele se aproximou para ver de perto. Chegando bem perto, ele viu um menino
devolvendo as estrelas do mar de volta para a água.
Esta cena se repetiu por vários dias, até que um dia, intrigado, ele se aproximou da criança e lhe perguntou porque todos os dias ele as devolvia para o mar.
O menino lhe respondeu que ele estava salvando as estrelas do mar, devolvendo-as ao oceano, pois o sol do meio-dia as destruiria. O escritor riu, com um ar de descaso,
e disse-lhe: "Menino, veja só esta praia! Que diferença isso pode fazer? Nela há milhares de estrelas do mar, e agora, no mundo todo, há milhares de milhares que
você não conseguirá salvar". A criança olhando para a estrela que ainda estava em sua mão, respondeu:
"Moço, para esta aqui eu fiz a diferença". com essa resposta, o escritor voltou para sua casa, e não conseguiu mais escrever nesse dia. Tão pouco conseguiu dormir
quando a noite chegou. Logo pela manhã ele voltou à praia
e junto com a criança devolveu várias estrelas para o mar... E você, quer fazer a diferença?
"Tudo o que se faz com caridade, por pouco ou desprezível que seja, produz abundantes frutos, porque Deus olha mais para a intenção do que
para a ação."

"A boca do justo produz sabedoria, mas a língua perversa será arrancada.
dos lábios do justo sabem dizer o que é agradável; a boca dos maus, o que
é mal"


13 A MANEIRA DE FALAR


Um soberano tem durante várias noites um mesmo e repetido sonho.
Ele sonha que todos os seus dentes vão caindo um a um.
Incomodado por este sonho, chama um conselheiro de confiança
que lhe aconselha a chamar um adivinho capaz de interpretar o seu
sonho.
Estando o adivinho perto do soberano, ele conta, com detalhes, o
sonho que o tem atormentado.
"Meu soberano, que tragédia, isto significa que cada dente caído é
a perda de um ente querido".
O Soberano irado com a resposta do adivinho diz ao conselheiro
que aquilo é um absurdo, e, por ousar dizer isso a ele, manda
prendê-lo na masmorra mais fétida do castelo.
Noite após noite o sonho se repetia e, já desesperado com a
situação, o soberano pede ao conselheiro que encontre alguém
que possa interpretá-lo. Ele encontra um profeta famoso, pede a
sua ajuda para interpretar o sonho do soberano. O profeta então,
na presença do soberano o escuta narrar detalhadamente o seu
sonho e lhe responde: "Meu soberano, que bênção o senhor
recebeu, isso significa que o senhor vai viver mais que seus entes
queridos".
Feliz com a resposta, diz ao conselheiro que o profeta fosse
recompensado e fizesse parte de seu conselho.
Ao sair, o conselheiro disse ao profeta: "O que você revelou foi a
mesma coisa que o adivinho, e hoje ele está na masmorra'.
O profeta olhando para o conselheiro diz: "O segredo está aqui,
tudo depende da maneira de falar".

"Não se deve dar crédito a qualquer palavra, nem obedecer a todo o
movimento interior; mas com prudência e vagar se deve, segundo Deus,
examinar as coisas.

"Pode uma mulher esquecer-se daquele que amamenta? Não ter ternura pelo fruto de suas entranhas? E mesmo que ela o esquecesse, eu não te esqueceria nunca. Eis que
estás gravada na palma de minhas mãos, tenho sempre sob os olhos tuas muralhas."


14 A FÉ CONFIANTE

Um grande incêndio destruiu um edifício no México, em 1986. Várias viaturas dos bombeiros foram ao local e tiveram muito trabalho para desocupar todo o edifício.
Quando acreditavam já não ter mais ninguém dentro do prédio, escutaram um pedido de socorro. Era uma menina de 5 anos que estava na janela do nono andar, desesperada
com o fogo e a fumaça. O chefe dos bombeiros, com o megafone, dizia à menina para pular que eles a segurariam. Mas a menina não obedecia ao seu comando. Por mais
que insistisse no pedido, a menina não pulava. Os bombeiros não podiam mais passar do sétimo andar devido às chamas do incêndio que se propagavam rapidamente. As
pessoas se aglomeravam próximo ao edifício, gritando, no esforço de fazer a menina pular. Nesta hora, chega uma mulher com um bebezinho no colo e grita: "Aninha
é a mamãe, não tenha medo de pular, eu you segurar você". Na mesma hora a menina, sem pensar duas vezes, pula do nono andar e é salva pelos bombeiros.
Quando confiamos e de fato nos lançamos em Deus, fogo, tempestade, dificuldade nenhuma pode nos destruir. Como Aninha, confie, pule nos braços amorosos de Jesus!!!
"Lembre-se todas as manhãs das verdades de sua crença e mire-se no espelho de sua fé. De outro modo, sua alma estará tomada pelo
esquecimento." (S. Agostinho)

"Oxalá a bondade e a fidelidade não se afastem de ti! Ata-as ao teu pescoço, grava-as em teu coração! Assim obterás graça
e reputação aos olhos de Deus e dos
homens. Que teu coração deposite toda a sua confiança no Senhor! Não te firmes em tua própria sabedoria!"


15 O VERDADEIRO SENTIDO DO CONHECIMENTO


Um professor, muito culto e preparado, com vários doutorados,
resolveu um certo dia, passear. Alugou um pequeno barco para
conhecer a paisagem em volta da cidade.
Durante o caminho estabeleceu uma orgulhosa conversa com o
pescador:
"Você sabe ler e escrever?"
"Não senhor, eu não sei".- respondeu com simplicidade o pescador.
com ar de superioridade, o professor disse: "Você perdeu metade
de sua vida por não saber ler e escrever".
Cabisbaixo, um pouco humilhado, o pescador continuou o percurso.
Mas o professor não parava de perguntar:
"Você entende de negócios, política?"
E o pobre pescador respondia: "Não senhor, só entendo de peixe".
Ironicamente o professor diz: "Você perdeu mais uma parte de sua
vida".
Nesse momento, no meio do rio, uma pedra atinge o barco e o
pescador perguntou: "Você sabe nadar?"
"Não", respondeu o professor.
"Pois então o senhor perdeu a vida toda, o barco está afundando".
Quantas vezes nos preocupamos em fazer cursos, ter
conhecimentos, falar diversas línguas, estar sempre bem informados,
mas...esquecemos do essencial. Não adianta sabermos tanto e não
sermos nada!!!
"Não te orgulhes da tua habilidade e do teu talento, para que não desagrades a Deus, de quem procede tudo o que, naturalmente,
tiveres de
bom."


"Não julgueis, e não sereis julgados. Porque do mesmo modo que julgares, sereis também vós julgados e, com a medida
que tiverdes medido, também vós sereis medidos.
Por que olhas a palha que está no olho do teu irmão e não vês a trave que está no teu?
como ousas dizer a teu irmão: deixa-me tirar a palha do teu olho,
quando tens
uma trave no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave de teu olho e assim verás Para tirar a palha do olho do teu irmão."


16 CISCO NO OLHO


Um jovem casal se mudou para Curitiba. Chegando na cidade, começaram a arrumar a nova casa. A vizinha comentou com seu marido, olhando pela janela: "Essas jovens
esposas não sabem lavar roupa. Que toalha encardida, coitado do marido!". E todos os dias, durante o café da manhã, ela tinha uma crítica. Olhando pela janela, dizia:
"Meu bem, que porca é nossa vizinha. Os lençóis, no varal, estão sujos; as calças do marido dá dó de ver, aquela camisa que deveria ser branca nem tem mais cor...".
Dia-a-dia ela fazia críticas, até que num sábado, ela levou um susto e falou para o marido: "Meu bem, que milagre! Ela aprendeu a lavar roupa. Nossa, que brancura!
Venha ver. Qual sabão será que ela está usando? Ah, eu tenho que descobrir!" O marido então, sorrindo, respondeu: "Minha querida, não é um novo sabão. Simplesmente
lavei a nossa janela". Já dizia Jesus, quantas vezes olhamos o cisco no olho do outro e não vemos a trave que está no nosso olho...

"Muita paz teríamos se não nos importássemos com o que os outros fazem, e que não nos diz respeito."


"Um amigo fiel é uma poderosa proteção, quem o achou, descobriu um tesouro.
Um amigo fiel é um remédio de vida e imortalidade. Quem teme ao Senhor, achará esse
amigo."


17 A VERDADEIRA AMIZADE


Na guerra do Vietnã, durante uma emboscada, vários homens morreram em combate. Um dos soldados pede ao capitão para voltar ao local da emboscada pois o seu melhor
amigo estava lá. O capitão lhe respondeu que não, pois já deveria estar morto, e ele não queria perder mais soldados.
O soldado pensou muito e tomou uma decisão de ir sozinho resgatar o amigo. Ao executar o resgate o soldado foi ferido, mas carregando seu amigo morto, ambos chegam
ao acampamento. Quando o capitão vê o soldado com o cadáver, ele fica furioso: "Eu não falei para você não ir, agora não apenas perdi um soldado, mas dois... Valeu
a pena me desobedecer e trazer um cadáver?" Porém, o soldado já falecendo, disse suas últimas palavras: "Eu faria novamente, pois quando eu cheguei lá, ele estava
ainda vivo e me disse: "Eu sabia que você não me abandonaria". O verdadeiro amigo é aquele que está presente quando, nas tribulações todos vão embora!!!
"O Senhor, abençoai aqueles que Vos amam, que amam aos amigos em Vós e os inimigos por Vossa causa." (S. Agostinho)

"Quem odeia a tagarelice, destrói sua malícia. Não repitas uma palavra dura e maldosa, e não serás prejudicado. Ouviste uma palavra contra o teu próximo? Abafa-a
dentro de ti, fica seguro de que ela não te fará morrer. Por causa de uma palavra (irrefletida) o tolo entorce-se de dores, como uma mulher que geme para dar à luz."


18 O PRECONCEITO


Um fazendeiro encontra um filhote de onça perdido na floresta, e
com pena leva-o para sua fazenda. com muito carinho ele cuida
da onça, e os dois se tornam grandes amigos.
Todos os dias ele sai para fazer compras e deixa a onça tomando
conta da casa e de seu filhinho de 2 anos. Seus amigos dizem:
"Você é louco em deixar uma onça cuidando do seu filho, um dia
ela ainda vai devorá-lo".
Ele responde sorrindo: "não vai não, ela é minha amiga e eu a criei
com todo o carinho...".
Um dia, voltando da cidade, seu carro quebrou, e ele passou a
noite fora, só chegando em sua fazenda no dia seguinte pela manhã.
Ele vê a onça na porta da casa o esperando como sempre fazia,
com a sua boca cheia de sangue. Imediatamente pensa consigo
mesmo: ela viu que não voltei, teve fome e, como diziam meus
amigos, devorou o meu filho.
Ele saca sua arma da caminhonete, mira a cabeça da onça e atira
matando-a. Corre para dentro de sua casa e encontra seu filhinho
brincando com uma bolinha e ao seu lado muito sangue de uma
enorme cobra. A onça tinha salvado a vida do seu filhinho...
Quantas amizades são rompidas, quantos lares destruídos, por
palavras que ouvimos e aceitamos, muitas vezes, desses ditos
"amigos"...
"Ordinariamente julgamos as coisas segundo a inclinação do nosso coração, alterando facilmente em nós o verdadeiro juízo delas."


"Não vos enganeis, de Deus não se zomba. O que o homem semeia, isso mesmo colherá. Quem semeia na carne, na carne colherá,
quem semeia no Espírito, no Espírito
colherá."

19 COLHEMOS O QUE PLANTAMOS


Um carpinteiro analfabeto, com muito sacrifício, enviou seu filho
para a capital para estudar medicina. O rapaz se formou, e como
era muito competente, abriu uma clínica de cirurgia plástica e se
tornou muito famoso.
Ele se casou com uma mulher da sociedade, e teve um lindo filho.
Um dia sua mãe morreu e ele trouxe seu pai para sua casa. Ele
começou a sentir vergonha de seu pai, pois este não sabia falar
direito, não sabia como lidar com a etiqueta no almoço e jantar
imposta por sua esposa.
Um dia ele decidiu que o pai deveria morar na casa dos empregados,
pois ele recebia muitas visitas e hospedava muitas pessoas
importantes.
Conferindo os pratos especiais que tinham, percebeu que alguns
tinham sido quebrados, e viu que seu pai não sabia lidar com a fina
louça importada de sua esposa.
Resolveu fazer uma tigela de barro para seu pai comer e, assim,
não usar mais a louça da casa. O neto que era apaixonado pelo
avô, vendo tudo isso, no dia seguinte pela manhã, foi ao mesmo
lugar que o pai preparou a tigela de barro e começou a modelar
uma outra tigela. O pai lhe perguntou o que ele estava fazendo e o
menino respondeu: "Estou treinando para que quando o senhor
ficar velho, eu possa preparar uma tigela igual a esta que o senhor
preparou para o vovô".
O que você está plantando, não esqueça, você colherá...
"Em todas as coisas olha o fim, e como te encontrarás diante dAquele retíssimo juiz para quem nada há oculto e julgará segundo a justiça.


"Portanto, prefiro glorificar-me das minhas fraquezas, para que habite em mim a força de Cristo. Eis por que sinto alegria nas fraquezas, nas afrontas, nas necessidades,
nas perseguições, no profundo desgosto sofrido por amor de Cristo. Porque quando me sinto fraco, então é que sou forte".


20 O LUGAR DE UMA VASSOURA


A vidente de Lourdes, Bernadette Soubirous, freqüentou a escola
como aluna externa. As alunas estavam divididas em três andares:
um deles, o térreo, era para as meninas pobres, no qual Bernadette
se encontrava. Os peregrinos vinham, beijavam as suas mãos,
abraçavam-na, tentavam arrancar-lhe as roupas e lhe faziam perder
horas e horas.
Para pôr fim a esses encontros e indiscrições, o pároco de Lourdes
por conta própria, pediu que a menina freqüentasse o terceiro andar,
reservado para as meninas das famílias abastadas.
Ali, Bernadette aprendeu a escrever e a viver. Mas para ela foi um
ginásio de sacrifícios e de mortificações pois, a invejavam muito e a
achavam orgulhosa. Certo dia, enquanto a menina estava entre as
irmãs, uma co-irmã lhe mostrou uma foto do sucesso das aparições
em Lourdes, manifestando admiração pela sorte da vidente. Então
Bernadette perguntou a irmã:
"Para que serve uma vassoura?"
"Que pergunta! disse a irmã ...Serve para varrer"
"E depois?" - perguntou Bernadette.
"Depois é posta no seu lugar, atrás da porta". - respondeu a irmã.
Diante da resposta, Bernadette concluiu: "Pois bem, esta é a minha
história. Nossa Senhora se serviu de mim e depois me repôs no
meu lugar. Eu sou feliz e me sinto muito bem assim".
"Feliz aquele que encontrou um amigo verdadeiro, e que fala da justiça a um ouvido atento." (Sabedoria 25, 12)


"A multidão dos fiéis era um só coração e uma só alma. Ninguém dizia gue eram suas as coisas que possuía, mas tudo entre eles era comum. Nem havia entre eles nenhum
necessitado, porque todos os que possuem terras ou casas vendiam-nas, e traziam o preço do que
tinham vendido e depositavam-no aos pés dos apóstolos. Repartia-se
então e era dado a cada um deles ponforme a sua necessidade".


21 LENDA JUDAICA


Deus convidou um Rabino para conhecer o céu e o inferno.
Ao abrirem a porta do inferno viram uma sala. No centro dela
havia um caldeirão onde se cozinhava uma sopa suculenta. Em volta,
estavam sentadas pessoas famintas e desesperadas.
Cada uma delas segurava uma colher de cabo tão comprido, que
lhes permitia alcançar o caldeirão, mas não suas próprias bocas. O
sofrimento era imenso.
Em seguida, Deus levou o Rabino para conhecer o céu.
Entraram em uma sala idêntica à primeira: havia o mesmo caldeirão,
as pessoas em volta, as colheres de cabo comprido. A diferença é
que todos estavam saciados.
Disse o Rabino: "Eu não compreendo, por que aqui as pessoas
estão felizes, enquanto na outra sala morrem de aflição, se tudo é
igual?".
Deus sorriu e respondeu: "Você não percebeu? É por que aqui eles
aprenderam a dar comida uns aos outros".

"Aqueles que têm amor nasceram de Deus; os que não têm não nasceram. Essa é a diferença fundamental." (S. Agostinho)


"Ou dizeis que a árvore é boa e seu fruto bom, ou dizeis que é má e seu fruto, mau; porque é pelo fruto que se conhece a árvore. Porque a boca fala do que lhe transborda
o coração. O homem de bem tira boas coisas de seu bom tesouro."

22 O bom TESOURO DO CORAÇÃO

Ana e Teresa estudavam juntas e eram amigas de verdade, confidentes e sinceras. Um dia Ana foi colocada numa situação muito complicada. Ela foi acusada pela professora
de estar colando. Teresa defendeu Ana na frente de todos os colegas dizendo ser mentira, e mesmo com o perigo de ser suspensa, defendeu sua amiga na presença do
diretor. Depois de sofrerem uma advertência, elas sobreviveram ao conflito, pois de fato, Ana não tinha colado na prova.
Ao saírem da escola, Ana levou Teresa a um lugar especial para ela e numa árvore enorme escreveu: "Hoje, minha amiga Teresa, contra tudo e todos me defendeu e me
salvou de uma situação muito embaraçosa". E disse para Teresa: "Está registrado aqui para que eu nunca esqueça".
Um mês depois, Teresa brigou e humilhou Ana na frente de todas as amigas por um motivo muito bobo, fazendo-a chorar muito. Ela se abaixou e, com um pedaço de pau,
começou escrever na terra: "Hoje minha querida amiga Teresa me humilhou em público, me deixando muito triste".
Teresa percebeu o que Ana estava escrevendo e imediatamente perguntou: por que na vez anterior você tinha escrito na árvore e agora está escrevendo na terra?
Ana respondeu: "Teresa, aquilo que você fez no mês passado eu não quero esquecer nunca, o que hoje você me fez eu quero que desapareça da minha memória o mais rápido
possível". Emocionada, Teresa abraça sua amiga e pediu desculpas. Será que guardamos as coisas boas, e esquecemos as ruins????

"Quando estou abatido pelos distúrbios do mundo, entrego-me sem reservas ao amor daqueles que me são especialmente caros."
(S. Agostinho)


"Pais, deixai de irritar vossos filhos, para que não se tornem desanimados".


23 O TEMPO PRECIOSO


No final de um dia muito cansativo, Pedro chega em casa, e depois
do jantar senta no sofá para ver o noticiário. Sua filhinha de 5 anos,
Patrícia, pergunta o quanto ele ganha por hora.
Indignado com a pergunta e de modo grosseiro ele responde: "Que
isso tem a ver com você menina, se nem sua mãe sabe quanto eu
ganho?".
Triste, ela sai de perto de seu pai, que arrependido lhe chama de
volta e responde: "Papai está cansado hoje, me desculpe querida,
eu devo receber uns dez reais por hora".
Em seguida, a menina pede: "Papai, o senhor me empresta um
real?".
Pedro fica muito bravo com o pedido: "Trabalhei o dia todo, estou
cansado, e agora você vem me pedir um real? Por isso queria saber
o quanto eu ganho por hora. Vá para sua cama agora, você está de
castigo".
Chorando, Patrícia vai para seu quarto. Pedro fica com a
consciência pesada, e antes de dormir passa no quarto de Patrícia
para ver se ela está dormindo. Como ela ainda estava acordada,
Pedro pede desculpas e tirando cinco reais do bolso, dá para a
menina.
Patrícia contente, pega uma caixa que contém nove reais e diz para
o papai:
"Aqui estão nove reais e mais cinco, o senhor pode me vender
uma hora do seu tempo? Eu pago mais."
Pais, a que ponto chegamos, não é verdade?
"A simplicidade há de estar na intenção, e a pureza no afeto."
(S. Agostinho)

"Tudo o que fizerdes, fazei-o de bom coração, como para o Senhor e não para os homens, certos de que recebereis, como recompensa, a herança das mãos do Senhor.
Servi a Cristo, Senhor".


24 NÃO QUEIRA AGRADAR AOS HOMENS


Vovô Antônio e seu neto Francisco faziam uma longa travessia a
cavalo. O idoso ia puxando o cavalo que carregava a criança. Ao
entrar numa cidade, ele escuta dos moradores.
"Que vergonha esse homem idoso a pé e aquela criança tão forte
em cima do cavalo". Pensando na situação, ele sobe no cavalo, e
seu neto prossegue a pé.
Ao chegar numa outra cidade, escuta os moradores dizerem: "Que
vergonha, uma pobre criança caminhando a pé, que exploração".
Preocupado com o cansaço do seu neto e querendo agradar às
pessoas, ele decide que os dois iriam juntos em cima do cavalo,
assim ninguém poderia falar nada.
Ao passar por uma outra cidade, escuta atônito dos moradores:
"Pobre animal carregando duas pessoas. Como existem pessoas
que maltratam os animais!"
Moral da história: não queira agradar aos homens, você vai sempre
se decepcionar, mas procure sempre agradar a Deus e a felicidade
você encontrará.
"Aquele que avalia as coisas pelo que elas são, e não conforme os outros dizem, é mais ensinado por Deus que pelos homens."


"Aliás, sabemos que todas as coisas concorrem para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são os eleitos, segundo os
Seus desígnios".


25 MUDANDO DE PERGUNTA


Uma jovem de muita fé, participante de um grupo de jovens, chega
na igreja e diz ao padre: "Eu quero morrer. Meu noivo me abandonou
depois de tantos anos de namoro. É a pior coisa que podia
acontecer na minha vida. Por que Deus permitiu isso?".
"Minha filha, você deve rezar e agradecer a Deus. Ele sabe o que
faz...".
A resposta a deixa com mais raiva. Ela vai embora e não volta mais
à igreja.
Um ano depois ela descobre que o ex-noivo era estelionatário e foi
preso por desviar uma grande quantia em dinheiro. Se estivesse
com ele, também estaria presa, pois ele tinha envolvido a atual
namorada como cúmplice no desfalque.
A jovem volta para a igreja e conta ao padre o acontecido, e ali ela
aprende a mais importante lição de sua vida.
"Minha filha, aprenda esta lição e você será sempre feliz em sua
vida. No sofrimento, acredite na misericórdia de Deus e substitua a
pergunta "por quê" pela pergunta "para que". Só assim, você
entenderá o propósito das coisas que acontecem à sua volta."
Você também pode mudar de pergunta, e irá perceber que muita
coisa em sua vida vai se transformar para melhor. Experimente...

"Não julgue o modo de Deus agir, a não ser que você queira, cair no erro. Aceite e entenda." (S.Agostinho)


"Não só isso, mas nos gloriamos até das tribulações. Pois sabemos que a tribulação produz a paciência, a paciência prova
a fidelidade e a fidelidade, comprovada,
produz a esperança. E a esperança não engana. Porque o amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo
que nos foi dado."


26 CUIDADO COM O ÓCIO


Um jovem eremita se dirige ao abade e lhe segreda suas penas:
apesar de rezar, meditar, trabalhar e fazer penitência, sente-se
assaltado por maus pensamentos. O abade aconselha: "Mude de
trabalho, invente uma esteira diferente daquela sobre a qual você
repousa".
"Que conselho estranho", pensou o monge. Todavia começa a
trabalhar, gasta o dia inteiro, e cheio de alegria, mostra a esteira ao
abade. Mas no dia seguinte voltam os maus pensamentos, e o jovem
volta ao abade: "Padre, o demônio continua a me atormentar. O
que posso fazer?"
"Ah! É verdade? Invente outro modelo de esteira."
As coisas continuaram assim por algum tempo: esteiras sempre
mais bonitas e elaboradas saíam das mãos do jovem eremita. Mas
a ação perturbadora do mal não cessava, e o monge sofria. Todavia,
o conselho do abade era sempre o mesmo: "Coragem, faça outra
esteira diferente."
A Tebaida, região do Egito, foi invadida por tecidos de junco
originais. Nesse momento, animado pelo sucesso de suas esteiras,
o monge se dedicou ao trabalho e o diabo se cansou: "Não há mais
nada a ser feito com esse monge: sua mente está ocupada com
pensamentos alegres e à noite está tão cansado que logo adormece.
Quando as pessoas pensam em Deus, rezam e trabalham dessa
forma, elas são felizes e não há nada que eu possa fazer".

"Onde há o torpor da preguiça, depressa aí crescem os pungentes espinhos dos maus pensamentos." (S. Antônio)

"Intimamo-vos, irmãos, em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, que eviteis a convivência de todo irmão que leve vida ociosa e
contrária a
tradição que de nós tendes
recebido. Sabeis perfeitamente o que deveis fazer para nos imitar. Não temos vivido entre vós
desregradamente, nem temos comido de graça o pão de ninguém. Mas, com
trabalho e fadiga, labutamos noite e dia, para não sermos pesados a nenhum de
vós."


27 A CHAVE DO PARAÍSO


Um frade, que gastara toda a sua vida costurando hábitos e
remendando as pobres roupas do convento, estava morrendo.
Durante sua serena agonia dirigiu-se aos confrades:
"Tragam-me, por favor, a chave do Paraíso!"
"Coitado, está delirando. Quem é capaz de entender o que ele diz?
Será que está querendo a Regra? Será que está pedindo o Rosário?
Melhor ainda, vamos dar-lhe uma cruz".
Mas a todas estas afirmações, ele negava com a cabeça. Não era
nada disso o que ele pedia. Por fim, o prior entendeu-o. Correu à
lavanderia, tirou uma agulha do estojo e a levou ao moribundo. Ele
pegou o minúsculo objeto e, dirigindo-se a ela como a um ser
animado, murmurou:
"Trabalhamos tanto, nós dois, não é mesmo? E juntos procuramos
cumprir sempre a vontade de Deus. Agora você me abrirá a porta
do céu. Estou certo disso."
E o frade morreu feliz. Aquela agulha fora o instrumento que o
ajudara, dia após dia, a ganhar o Paraíso.
"Quem tem a verdadeira e perfeita caridade em nenhuma coisa busca a si mesmo, mas deseja que em todas Deus seja glorificado."

"Na tarde do mesmo dia, que era o primeiro da semana, os discípulos tinham fechado as portas do lugar onde se achavam, por medo dos judeus. Jesus veio e pôs-se no
meio deles e disse-lhes: A paz esteja convosco!".


28 A PAZ

Certa vez, houve um concurso de pintura e o primeiro lugar seria
dado ao quadro que melhor representasse a paz.
Ficaram, entre muitos, três finalistas igualmente empatados.
O primeiro retratava uma imensa pastagem com lindas flores e
borboletas que bailavam no ar, acariciadas por uma brisa suave.
O segundo mostrava pássaros a voar sob nuvens brancas como a
neve, em meio ao azul anil do céu.
O terceiro mostrava um grande rochedo sendo açoitado pela
violência das ondas do mar, em meio a uma tempestade estrondosa
e cheia de relâmpagos.
Mas, para surpresa e espanto dos finalistas, o escolhido foi o terceiro
quadro, o que retratava a violência das ondas contra o rochedo.
Indignados, os dois pintores que não foram escolhidos,
questionaram o juiz que deu o voto de desempate:
- Como este quadro tão violento pode representar a paz, Sr. juiz? E o juiz, com uma serenidade muito grande no olhar, disse:
- Vocês repararam que em meio à violência das ondas e à tempestade há, numa das fendas do rochedo, um passarinho com seus filhotes, dormindo tranqüilamente?
E os pintores sem entender responderam: sim, mas... Antes que eles concluíssem a frase, o juiz ponderou:
- Caros amigos, a verdadeira paz é aquela que mesmo nos momentos mais difíceis nos permite repousar tranqüilos.

"Busca a paz dentro de ti, em ti mesmo; se a encontrares, terás paz com Deus e com o próximo." (S. Antônio)

"Mas, em todas essas coisas, somos mais que vencedores Pela virtude dAquele que nos amou".


29 SEJA POSITIVO, E VITÓRIAS VOCÊ ALCANÇARÁ


Um famoso dono de uma fábrica de sapatos estava para contratar
um vendedor. Eram vários candidatos para uma única vaga e ele
gostou de dois deles. Resolveu então, fazer um teste para poder
decidir quem ficaria com a vaga.
Chamou o primeiro rapaz e mandou-o vender sapatos numa certa
cidade. Depois de uma semana ele retornou desanimado, e disse
ao dono da fábrica:
"O senhor me mandou para o lugar errado, pois lá ninguém usa
sapatos, assim não pude vendê-los".
Enviou para o mesmo local o outro rapaz que, dois dias depois,
retornou feliz dizendo: "o lugar é maravilhoso, o senhor acertou.
Cheguei e percebi que ninguém tinha sapato, fui mostrando o born
que era estar calçado. Vendi tudo e eles querem mais".
Numa mesma situação, dependendo da forma como encaramos
os problemas e as dificuldades, podemos vencer ou sermos
derrotados.

"Muitos se deixam levar pela impaciência e pelo desalento, logo que as coisas não correm como desejam."


"A ciência do sábio espalha-se como a água que transborda, e o conselho que ele dá permanece como fonte de vida".


30 PARA PREGADORES (SACERDOTES E LEIGOS)


Recém ordenado sacerdote, Felipe, foi enviado para uma paróquia
no interior. Todo feliz, ele conhece a Igreja que fica na praça da
pequena cidade e, depois de instalado, foi dormir cedo para
celebrar sua primeira missa no dia seguinte.
Às seis da manhã, abre as portas da igreja, e toca o sino para
anunciar que teria missa.
Ele havia preparado a sua primeira homilia com tanto carinho, que
não via a hora de começar a missa. Faltando dez minutos para o
início ele, da sacristia, olha para ver quantos fiéis estão na igreja.
Um pouco decepcionado, ele vê apenas um senhor sentado no
último banco. Seis e meia em ponto, olha de novo, agora já
paramentado, e vê somente aquele homem. Espera mais dez
minutos e desiste de celebrar.
Quando o senhor percebe que o jovem padre não vai celebrar,
cumprimenta o sacerdote e lhe diz: "Sabe padre, eu tenho uma
fazenda com muitas vacas, mas eu comecei com apenas uma e com
o tempo fui conseguindo mais e mais. Hoje eu tenho uma grande
manada."
Vestindo novamente os paramentos, o padre respondeu: o senhor
está certo! Entendi a mensagem e agradeço, vamos celebrar a missa.
com toda a alegria ele começa a missa. Eram quase sete horas da
manhã e, mesmo estando apenas aquele senhor participando, o
padre celebra com entusiasmo e faz uma homilia toda especial. Só
para se ter uma idéia, ele terminou a missa DUAS horas depois.
Todo feliz, terminada a missa, ele vai para a sacristia.
O senhor se aproxima e diz: "Quando eu vou
alimentar as minhas vacas, eu preparo a comida para todas, mas quando só uma vem comer, eu não a entupo
com toda a comida.

"Sé vigilante e diligente no serviço de Deus, e pensa amiúde para que vieste e porque deixaste o mundo."


"Junto à cruz de Jesus estava, de pé, sua mãe. Quando Jesus viu sua mãe e perto dela o discípulo que amava, disse à sua
mãe: "Mulher, eis aí teu filho." Depois disse
ao discípulo: "Eis aí tua mãe". E dessa hora em diante o discípulo a levou para a sua casa".

31 PELOS FUNDOS

Jesus no céu, estava preocupado e foi até a entrada falar com São
Pedro:
"Pedro, minha paz esteja com você. Como está a entrada das
pessoas aqui no Paraíso?"
Pedro responde olhando num grande livro: aqui está tudo tranqüilo,
por que Senhor?
"Você não quer a ajuda de Paulo ou de outro apóstolo? Eu tenho
percebido que cada vez mais o céu está cheio. O que está
acontecendo?"
Diz Pedro: "Ah, já sei, Mestre. Vamos lá nos fundos e o Senhor vai
entender.
Chegando nos fundos, Jesus vê Sua Mãe, sobre uma escada
encostada no muro, com uma corda em forma de rosário. Todos
os que rezavam diariamente o terço, seguravam na corda de Nossa
Senhora e eram puxados por ela, para dentro do céu.
Sorrindo, Jesus foi ao lado dela dar todo o Seu AMOR e toda a
Sua Força, para puxar a corda.

"Torre fortíssima é o nome da Senhora. Refugie-se nela o pecador e salvar-se-á." (S. Antônio)


"Este é o oráculo do Senhor a respeito de Zorobabel: não pelo poder, nem pela violência, mas sim pelo meu Espírito que ele cumprirá sua missão. Ele porá a pedra
de remate em meio de aclamações: Graças, graças a ela! Alegrar-se-ão quando virem o fio
de prumo (terço) na mão de Zorobabel!"

32 A ORAÇÃO DA MÃE

Numa pequena cidade do interior da Itália, todos os domingos,
uma mãe ia a missa, com seus filhos. Começa a Segunda Guerra
Mundial e os jovens são convocados a defender o país.
O filho mais velho é chamado, deixando-a muito aflita. Como fosse
devota de Nossa Senhora e todos os dias rezasse o terço, entrega
ao filho, o seu rosário. Ele retrucou: "Eu não vou usar isso. Nem sei
rezar o terço!"
"Não se preocupe meu filho, a partir de hoje eu you rezar o rosário
todos os dias por você, tenha-o sempre por perto e ele será sua
verdadeira arma."
Para não deixar sua mãe mais preocupada, ele guardou o terço.
No fronte, começando a batalha, ele é ferido e é constatada a sua
morte. Ao término da sangrenta batalha com os alemães, os corpos
são recolhidos e enterrados em valas. Ao ser jogado na vala, cai
de seu bolso o terço dado por sua mãe e, por ser católico, resolvem
enterrá-lo numa cova separada. Quando o separaram dos outros
cadáveres, percebem que ainda está vivo e o levam para a
enfermaria.
Já a salvo, um soldado que recolhia os corpos e os enterrava,
entrega o terço em suas mãos e conta para ele que se não fosse
por isso ele estaria enterrado na vala.
Emocionado ele diz: "A primeira coisa que vou fazer ao voltar, é
aprender a rezar o terço e este aqui ficará sempre comigo".
A fé daquela mãe e a intercessão da Mãe das mães salvaram física
e espiritualmente aquele jovem.

"A fé se compara à videira: enraíza depressa, estende os ramos da caridade, entrelaça outros a si e produz o cacho das boas obras."
(S. Antônio)


"Vós que terneis ao Senhor, amai-O, e vossos corações se encherão de luz."

33 JESUS SENHOR


Um sacerdote foi pregar um retiro numa paróquia vizinha.
Hospedou-se na residência de um rico casal muito religioso.
Era o casal que organizava o retiro, e com grande alegria
recepcionava a todos. À noite, após o jantar, o casal levou o
sacerdote para tomar um chá numa sala luxuosa e ele viu um quadro
maravilhoso do Sagrado Coração de Jesus, que causaria admiração
a quem entrasse naquela sala.
Voltando-se para o sacerdote, o marido disse: "Este quadro
pertenceu a minha avó, depois a minha mãe e com o seu falecimento,
há dez anos, eu o trouxe para cá. Dom Henrique, nosso bispo, o
entronizou para nós".
Sua esposa interfere, dizendo: "Mas foi apenas há um ano que
Jesus, de fato, entrou em nossas vidas".
Surpreso com a sinceridade da mulher, o sacerdote disse: Suas
palavras serão o tema de minha palestra amanhã, pois muitos
possuem Jesus, mas não o experimentam de fato.
Que Jesus seja Senhor de nossa vida e de nossa casa, não apenas
na imagem mas, profundamente, em nossos corações.

"Cristo é o caminho pelo qual você segue e o ancoradouro para o qual você se dirige." (S. Agostinho)


"Meu filho, aceita a instrução desde teus jovens anos, ganharás uma sabedoria que durará até a velhice. Permanece na
companhia dos doutos anciãos, une-te de coração
à sua sabedoria, afim de que possas ouvir o que dizem de Deus, e não te escapem suas louváveis
máximas. e vires um homem sensato, madruga para ir ter com ele,
desgaste O teu pé o limiar de sua porta."

34 LIÇÃO DO MONGE


Vivia num mosteiro um monge muito santo, todos o admiravam pelo seu modo de agir e rezar. Um jovem noviço entrou para o mosteiro motivado pelas atitudes e exemplos
desse monge. Um certo dia, o monge faz um convite ao noviço: "Você quer sair comigo para evangelizar?"
O jovem fica muito feliz com o convite, afinal, sair e evangelizar com o monge era tudo o que ele sempre
sonhara. No dia seguinte saíram bem cedinho. em direção
à cidade cruzandoa de ponta a ponta sem dizer uma só palavra. Quando retomaram ao mosteiro, o jovem, triste, por não ter evangelizado, diz ao monge: "Meu pai, pensei
que íamos evangelizar. Não ajudamos ninguém, não levamos a Palavra de Deus para nenhuma pessoa sequer. O monge sorrindo lhe responde: "Hoje você aprendeu uma grande
lição. Nós evangelizamos mais do que com palavras. Quando os jovens que bebiam e zombavam de uma donzela, na taberna, nos viram, pararam de atormentar a moça e
mudaram o seu procedimento. A menina para quem acenamos, correu sorrindo para contar à sua mãe que passamos por ali. Aquela pobre senhora que ao nos ver, fez o sinal
da cruz, hoje foi seu último suspiro aqui nesta terra.
Meu jovem, aprenda esta lição: as palavras movem, mas os testemunhos arrastam.
Passados alguns anos, o jovem se tomou o prior do mosteiro, e o que aprendeu do velho amigo monge ensinava aos noviços.

"Em nossa jornada, devemos representar a Cristo onde e quando for preciso." (S.Agostinho)


"Mais vale procurar refúgio no Senhor do que confiar no homem".

35 A QUEM ESTOU ESCUTANDO


Numa cidade do interior de São Paulo, a cada ano, realiza-se uma
corrida que nunca teve vencedor. Todos os anos, o prefeito lança
o seguinte desafio: sem preparação, sem pausa para descanso, sem
água, aquele que subir e descer a colina, e chegar até o palanque
da praça principal, será o vencedor. O prêmio já se acumula por
dez anos e, até hoje, ninguém conseguiu ganhar.
Este ano, por causa do prêmio, várias pessoas se inscreveram para
competir. Os moradores da cidade estavam todos presentes e,
indiretamente, eles eram os responsáveis pelo fracasso das corridas.
Antes mesmo da largada, já começavam a comentar sobre os
participantes: "Olha aquele, como é gordo!", "Nossa! Aquele é
muito magro!"
Muitos já desistiam antes de iniciar a prova.. Começa a corrida e
os comentários continuam: "Não vão agüentar!", "Esse aí vai morrer
deinfarto!", "Nossa! Como está vermelho!"
Cada vez, mais participantes iam desistindo da prova. "Que pena
ele é muito velho para correr!", "Olhe lá, como corre mal...".
Quase no final, faltando menos de um quilômetro, sobram apenas
dois corredores, e pela expressão de ambos, estão muito cansados.
O povo continua gritando: "Não vai dar! Desista! É melhor que
morrer!"
Nesse momento, um deles cai de cansaço enquanto o outro não
desiste e, para surpresa de todos, cruza a linha de chegada.
Depois de dez anos, enfim tinha um vencedor. O prefeito feliz, com
o cheque e o prêmio nas mãos, começa a falar com o vencedor
que nem lhe dá atenção.
No microfone pergunta a todos: "Alguém conhece este cidadão?"
Lá do fundo, uma voz responde: "Ele é meu primo, chegou aqui na
semana passada. Ah! Ele é surdo".
Se dermos mais atenção ao que o mundo fala, e não escutarmos a
Deus, estamos perdidos. A quem estamos escutando?

"Que são as palavras dos homens senão palavras? Ferem o ar, mas não ofendem a quem está firme e forte como o rochedo."


"Deus criou o homem à sua imagem; criou-o à imagem de Deus, criou o homem e a mulher".

36 PARÁBOLA DA ROSA


Um homem plantou uma roseira e passou a regá-la todos os dias.
A roseira cresceu e já se podia perceber o primeiro botão de rosa
quando, analisando o caule cheio de espinhos, o homem pensou:
"Como pode uma flor tão bela vir de uma planta rodeada de
espinhos tão afiados!"
Entristecido com sua descoberta, ele recusou-se a regar a roseira
e, antes mesmo de desabrochar a primeira rosa, ela morreu.
Assim acontece com muitas pessoas. Dentro de cada alma há uma
rosa - as qualidades dadas por Deus, e também os espinhos - as
nossas faltas.
Muitos de nós olhamos para nós mesmos e vemos apenas os
espinhos, os defeitos. Nós nos desesperamos, achando que nada
de bom pode vir do nosso interior. Nós nos recusamos a regar o
bem dentro de nós, e como conseqüência, ele morre. Nem sempre
percebemos o nosso potencial.
Algumas pessoas não vêem a rosa dentro delas mesmas. Portanto,
um outro alguém deve mostrar a elas.
Um dos maiores dons que se pode possuir é a capacidade de passar
pelos espinhos e encontrar a rosa dentro de outras pessoas. Olhar
uma pessoa e conhecer suas verdadeiras qualidades. Aceitar aquela
pessoa em sua vida, enquanto reconhece a beleza de sua alma e
ajudá-la a perceber que ela pode superar suas aparentes
imperfeições. Esta é a característica do amor.
Se mostramos a essas pessoas a rosa, elas superam seus próprios
espinhos.
Só assim elas podem desabrochar muitas e muitas vezes.
Portanto, sorria, e descubra a rosa que existe dentro de você e
também dentro das pessoas que você ama...

"Meu coração está seguro e firme em Jesus Cristo." (Santa Ágata)

"Ó meu Deus, criai em mim um coração puro, e renovai-me o espírito de firmeza".

37 A INOCÊNCIA


Uma menininha, diariamente, vai e volta andando até a escola.
Apesar do mau tempo daquela manhã e de nuvens pesadas estarem
se formando, ela fez seu caminho como de costume.
Conforme a tempestade ia se aproximando, os ventos aumentaram
e junto vieram os raios e trovões.
A mãe em casa, pensou que sua filhinha poderia ter muito medo no
caminho de volta e resolveu ir buscá-la.
Preocupada, a mãe rapidamente entrou em seu carro e dirigiu pelo
caminho em direção à escola.
Logo ela avistou sua filhinha andando, mas, a cada relâmpago, ela
parava, olhava para cima e sorria.
Outro, outro, e mais outro relâmpago e, após cada um, ela parava,
olhava para cima e sorria.
Finalmente, quando entrou no carro, a mãe curiosa foi logo
perguntando:
- O que você estava fazendo? A garotinha respondeu:
- Sorrindo! Deus não pára de me fotografar!!
Deixemos que toda inocência floresça em nossos corações, para podermos ver a bela e real felicidade que existe nos momentos de simplicidade...

"A simplicidade busca a Deus; a pureza O abraça e nEle se compraz."


"Bem-aventurados os que têm um coração de pobre, porque deles é o Reino dos Céus!

38 UM HOMEM FELIZ


Narra a antiga lenda, que certa vez um rei adoeceu gravemente, e à medida que o tempo passava, seu estado de saúde piorava. Os médicos tentavam de tudo para recuperá-lo,
mas nada parecia funcionar. Todos já se encontravam sem esperança quando a velha criada falou:
- Eu sei como salvar o rei. Se vocês puderem encontrar um homem feliz, tirarem-lhe a camisa e a vestirem no rei, ele se recuperará. Ao ouvir tal afirmativa, o rei
enviou seus mensageiros a todos os cantos do reino à procura de um homem feliz. Eles cavalgaram por todos os lugares e não encontraram um homem feliz. Ninguém estava
satisfeito. Todos tinham uma queixa:
- Aquele alfaiate estúpido fez as calças muito curtas! - Ouviram um homem dizer.
- A comida está péssima, este cozinheiro não consegue fazer nada direito! Reclamava o outro.
- O que há de errado com os nossos filhos! - Resmungava um pai insatisfeito.
- O teto está vazando! A situação financeira está péssima. Será que o rei não pode dar um jeito nessa situação?
Essas e outras tantas queixas era o que os mensageiros do rei ouviam
por onde passavam.
Se um homem era rico, não tinha o bastante; se não era rico, era
culpa de alguém.
Se era saudável, havia uma sogra indesejável em sua vida. Se tinha
uma boa sogra, a gripe o estava infelicitando. Enfim, naquele reino
todos tinham algo a reclamar. O rei já tinha perdido a esperança
de se curar quando, numa noite, seu filho cavalgava pelos campos
e, ao passar perto de uma cabana, ouviu alguém dizer:
- Obrigado Senhor! Concluí meu trabalho diário e ajudei meu
semelhante. Comi meu alimento, e agora posso deitar-me e dormir
em paz. O que mais poderia desejar, Senhor?
O príncipe exultou de felicidade por ter, finalmente, encontrado um
homem feliz. Mandou que seus homens fossem até lá, pagassem o
quanto ele pedisse, e levassem a camisa do homem ao rei.
Mas quando os mensageiros do rei entraram na cabana para despir
a camisa do homem feliz, descobriram que ele era tão pobre que
sequer possuía uma camisa.
"A pobreza reveste a alma de virtudes, as riquezas temporais a desnudam."
(S. Antônio)

"Nada há fora do homem que, entrando nele, o possa manchar; mas o que sai do homem, isso é que mancha o homem."

39 O VENDEDOR DE BALÕES


Era uma vez um velho homem que vendia balões numa quermesse.
Evidentemente o homem era um bom vendedor, pois deixou um
balão vermelho soltar-se e elevar-se aos ares, atraindo, desse modo,
uma multidão de jovens compradores.
Havia ali perto um menino negro. Estava observando o vendedor
e, é claro, apreciando os balões.
Depois de ter soltado o balão vermelho, o homem soltou um azul,
depois um amarelo e finalmente um branco. Todos foram subindo
até desaparecerem no céu.
O menino, de olhar atento, seguia a cada um. Ficava imaginando
mil coisas...
Mas uma coisa o aborrecia, o homem não soltava o balão preto.
Então aproximou-se do vendedor e lhe perguntou:
- Moço, se o senhor soltasse o balão preto, subiria ele tanto quanto os outros?
O vendedor de balões sorriu compreensivamente para o menino, arrebentou a linha que prendia o balão preto e enquanto ele se elevava nos ares disse:
- Não é a cor filho, é o que está dentro dele que o faz subir.

"Quem ama, corre, voa; vive alegre, é livre e nada o embaraça."


"Um amigo fiel é uma poderosa proteção: quem o achou, descobriu um tesouro".

40 A TRANSFUSÃO


Numa aldeia vietnamita, um orfanato dirigido por um grupo de missionários foi atingido durante um bombardeio. Os missionários e duas crianças tiveram morte imediata
e as pessoas restantes, ficaram gravemente feridas. Entre elas, uma menina de oito anos, em estado crítico.
Era necessário chamar ajuda por um rádio e, ao fim de algum tempo, um médico e uma enfermeira da Marinha dos EUA chegaram ao local.
Teriam que agir rapidamente, para que a menina não morresse, pelos traumatismos e a perda de sangue.
Era necessário fazer uma transfusão e, entre gestos, e palavras soltas no idioma, tentavam explicar que precisavam de um voluntário para doar o sangue.
Depois de um silêncio sepulcral, viu-se um braço magrinho levantarse timidamente. Era um menino chamado Heng. Ele foi preparado às pressas, ao lado da menina agonizante,
e começaram a transfusão. Ele se mantinha quietinho e com o olhar fixo no teto. Passado um momento, ele deixou escapar um soluço e tapou o rosto
com a mão que
estava livre.
O médico lhe perguntou se estava doendo, e ele negou. Mas não demorou muito a soluçar de novo, contendo as lágrimas. O médico ficou preocupado e voltou a lhe perguntar,
e novamente ele negou. Os soluços ocasionais deram lugar a um choro silencioso, mas ininterrupto. Era evidente que alguma coisa estava errada.
Foi então que apareceu uma enfermeira vietnamita vinda de outra aldeia. O médico pediu então que ela procurasse
saber o que estava acontecendo com o menino.
Com a voz meiga e doce, a enfermeira foi conversando com ele e explicando algumas coisas. A expressão no rosto do menino
foi se tornando suave. Minutos depois
ele ja estava tranqüilo novamente. A enfermeira então explicou aos americanos:
- Ele pensou que ia morrer, não tinha entendido o que vocês disseram e estava achando que ia dar todo o seu sangue para
a menina não morrer.
O médico aproximou-se dele e, com a ajuda da enfermeira, perguntou:
- Mas, se era assim, porque então que você se ofereceu para doar o sangue?
E o menino respondeu, com o olhar terno:
- ELA É MINHA AMIGA...

"Ame seu próximo e verá dentro de você a fonte desse amor. Lá você verá Deus tão puramente quanto for capaz." (S. Agostinho)

"Meu filho, se me ouvires com atenção, serás instruído; se submeteres o teu espírito, tornar-te-ás sábio. Se me deres
ouvido, receberás a doutrina. Se gostares
de ouvir, adquirirás a sabedoria."


41 O BARBEIRO


Um senhor estava no barbeiro cortando os cabelos e fazendo a
barba.
Conversava com o barbeiro e falava da vida e de Deus.
Depois de algum tempo de conversa, o barbeiro incrédulo não
agüentou e falou:
- Deixa disso, meu caro, Deus não existe!
- Por quê? perguntou
- Ora, se Deus existisse não haveria tantos miseráveis passando fome! Olhe em volta e veja quanta tristeza. É só andar pelas ruas e reparar!
- Bem, esta é a sua maneira de pensar, não é?
- Sim, claro! - respondeu o barbeiro.
O freguês pagou o corte e foi saindo, quando avistou um maltrapilho imundo, com longos e feios cabelos, barba comprida, suja, abaixo do pescoço, não agüentou, deu
meia volta e interpelou o barbeiro:
- Sabe de uma coisa, não acredito em barbeiros!
- Como? - perguntou o barbeiro.
- Sim, se existissem barbeiros, não haveria pessoas de cabelos e barbas compridas!
- Ora, eles estão assim porque querem. Se desejassem mudar, viriam até mim!!!
- Entendeu agora?


"Aprende a desprezar as coisas exteriores e dar-te às interiores, e verás como vem a ti o Reino de Deus."

"Agora, escuta Jacó, meu servo, Israel, a quem escolhi. Eis o que diz o Senhor que te criou, que te formou desde o Seío materno e te socorreu.: nada
temas, Jacó, meu servo, meu Israel a quem escolhi!"


42 PEGADAS NA AREIA


Uma noite eu tive um sonho...
Sonhei que estava andando na praia com o Senhor,
E olhando para o céu, eu via cenas da minha vida.
Para cada cena que passava, percebi pegadas na areia; uma era
minha e a outra do Senhor.
Quando a última cena de minha vida passou diante de nós, olhei
para as pegadas na areia, e notei que muitas vezes no caminho da
minha vida havia apenas um par de pegadas na areia.
Notei também que isso aconteceu nos momentos mais difíceis da
minha vida.
Isso aborreceu-me deveras e perguntei então ao Senhor:
- Senhor, Tu me disseste que, uma vez que eu resolvesse Te seguir, Tu andarias sempre comigo, durante todo o caminho.
- Mas notei que nos momentos das maiores atribulações do meu viver havia na areia dos caminhos da vida, apenas um par de pegadas.
- Não compreendo por que nas horas em que eu mais necessitava, Tu me deixaste.
O Senhor respondeu:
- Meu precioso filho, Eu te amo e jamais te deixaria nas horas da tua prova e do teu sofrimento. Quando viste na areia apenas um par de pegadas, foi exatamente aí
que EU TE CARREGUEI EM MEUS BRAÇOS!!!

"Ama e tem por amigo aquele que não te faltará quando todos te desampararem."


"Pedi e se vos dará, Buscai e achareis. Batei e vos será aberto. Porque todo aquele que pede, recebe. Quem busca, acha. A quem bate, abrir-se-á."

43 O QUADRO


Um homem havia pintado um lindo quadro. No dia de apresentálo ao público, convidou todo mundo para vê-lo. Compareceram as autoridades do local, fotógrafos, jornalistas,
e muita gente, pois o pintor era muito famoso e um grande artista. Chegado o momento, tirou-se o pano que velava o quadro. Houve caloroso aplauso.
Era uma impressionante figura de Jesus, batendo suavemente à porta de uma casa. A imagem de Cristo parecia real. com o ouvido junto à porta, Ele mostrava querer
ouvir se lá dentro alguém respondia.
Houve discursos e elogios. Todos admiravam aquela obra de arte. Um observador curioso porém, achou uma falha no quadro, a porta não tinha fechadura. Foi perguntar
ao artista:
- Sua porta não tem fechadura! Como é que ela será aberta?
- É assim mesmo - respondeu o pintor. - Esta é a porta do coração humano. Só se abre do lado de dentro.

"O que mais podemos oferecer a Deus senão sermos Seu templo?
(S. Agostinho)


"Aquele que possui uma mulher virtuosa tem com que tornar-se rico; é uma ajuda que lhe é semelhante, e uma coluna de apoio."


44 AS DUAS JÓIAS


Uma antiga lenda árabe conta, que um rabino, religioso e dedicado,
vivia muito feliz com sua família, esposa admirável e dois filhos
queridos.
Certa vez, por imperativos da religião, o rabino empreendeu longa
viagem ausentando-se do lar por vários dias. No período em que
estava ausente, um grave acidente provocou a morte dos dois filhos
amados.
A mãe sentiu o coração dilacerado de dor. No entanto, por ser
uma mulher forte, sustentada pela fé e pela confiança em Deus,
suportou o choque com bravura.
Mas uma preocupação lhe vinha à mente: como dar ao esposo a
triste notícia?
Sabendo-o portador de insuficiência cardíaca, temia que não
suportasse tamanha comoção. Lembrou-se de fazer uma prece.
Rogou a Deus auxílio para resolver a difícil questão.
Alguns dias depois, num final de tarde, o rabino retornou ao lar.
Abraçou demoradamente a esposa e perguntou pelos filhos. Ela
pediu para que não se preocupasse. Que tomasse o seu banho, e
logo depois ela lhe falaria dos moços.
Alguns minutos depois estavam ambos sentados à mesa. Ela lhe
perguntou sobre a viagem, e logo ele perguntou novamente pelos
filhos.
A esposa, numa atitude um tanto embaraçada, respondeu ao marido:
- Deixe os filhos. Primeiro quero que me ajude a resolver um
problema que considero grave.
O marido, já um pouco preocupado perguntou:

- O que aconteceu? Notei que você está abatida! Fale, resolveremos juntos, com a ajuda de Deus.
- Enquanto você esteve ausente, um amigo nosso visitou-me e deixou duas jóias de valor incalculável, para que as guardasse.
São jóias muito preciosas! Jamais vi
algo tão belo! O problema é esse! Ele vem buscá-las e eu não estou disposta a devolvê-las, pois já me afeiçoei a elas. O
que você me diz?
- Ora mulher! Não estou entendendo o seu comportamento! Você nunca cultivou vaidades!... Por que isso agora?
- É que nunca havia visto jóias assim! São maravilhosas!
- Podem até ser, mas não lhe pertencem! Terá que devolvê-las.
- Mas eu não consigo aceitar a idéia de perdê-las! E o rabino respondeu com firmeza:
- Ninguém perde o que não possui. Retê-las eqüivaleria a roubo!
- Vamos devolvê-las, eu a ajudarei. Faremos isso juntos, hoje mesmo.
- Pois bem, meu querido, seja feita a sua vontade. O tesouro será devolvido. Na verdade isso já foi feito. As jóias preciosas
eram nossos filhos. Deus os confiou
à nossa guarda, e durante a sua viagem veio buscá-los. Eles se foram...
O rabino compreendeu a mensagem. Abraçou a esposa, e juntos derramaram muitas lágrimas.
"A vida dos homens passa tão ligeira como a sombra."

"Aquele que teme ao Senhor não tremerá; de nada tera medo, pois o próprio Senhor é sua esperança."

45 HÁ PODER EM SUAS PALAVRAS


Nunca diga: "Eu não posso, pois tudo posso naquele que me
fortalece"
Nunca diga: "Eu não tenho, pois o meu Deus, segundo a Sua
riqueza em glória, há de suprir em Cristo Jesus, cada uma de
minhas necessidades"
Nunca diga: "Eu tenho medo, pois Deus não nos tem dado um
espírito de temor, mas de poder, de amor e de moderação"
Nunca diga: "Eu tenho falta de fé, pois eu tenho a medida da fé
que Deus repartiu a cada um"
Nunca diga: "Eu sou fraco, pois o Senhor é a fortaleza da minha
vida"
Nunca diga: "Eu estou derrotado, pois Deus em Cristo sempre
me conduz ao triunfo"
Nunca diga: "Eu não tenho sabedoria, pois em Cristo Jesus
fostes cumulado de todos os dons"
Nunca diga: "Eu estou enfermo, pois pelas Suas chagas fomos
curados"
Nunca diga: "Eu estou ansioso, frustrado, pois estou lançando
sobre Ele toda a minha ansiedade, porque Ele tem cuidado de
mim"
Nunca diga: "Eu estou preso, pois onde está o Espírito do Senhor
aí há liberdade"
Nunca diga: "Eu estou condenado, pois nenhuma condenação
há para os que estão em Cristo Jesus"
"Só Deus, eterno, imenso e que tudo enche, é a consolação da alma, e a verdadeira alegria do coração."


"Todos os atletas impõem a si muitas privações; e o fazem para alcançar uma coroa corruptível. Nós o fazemos por uma coroa incorruptível. Assim, eu corro, mas não
sem rumo certo."

46 ELE NÃO DESISTIU


Aconteceu no Indoor Games Meet in Losângeles (Jogos em
Recintos Fechados) de 1964.
Na corrida de jarda, Bill Crothers, um farmacêutico canadense de
23 anos, esborrachou-se no chão quando tropeçou em um dos
corredores do grupo a seu lado, faltando duas voltas e meia para o
final.
Um corredor após o outro saltava por cima do infeliz corredor.
Os demais corredores se distanciaram dele quase meia volta da
pista. Ninguém teria criticado o jovem Bill por ter caído; nenhum
treinador o teria chamado de molenga.
Mas apesar de um joelho contundido, Bill se levantou e começou a
correr depois dos outros corredores. Continuando ele buscou
ocupar o vazio entre ele e os outros.
Então ele passou um, dois, três, que iam para a reta final, perdendo
apenas por uma polegada para o vencedor que cruzou a fita em
primeiro lugar.
Ele recebeu os aplausos da multidão dividindo as honras com o
vencedor, pois chegou apenas alguns segundos após o vencedor.
As tentações para deixar Cristo são muitas. Nós caímos e a multidão
passa por nós. Devemos aprender a lição que nos deu Bill Crothers.
Não deve o povo de Deus abandonar a luta. Não pode haver
nenhuma outra preocupação senão a de correr rumo à glória de
Deus.

"O Reino de Deus é o sumo bem e, por isso, deve ser procurado. Procura-se pela fé, pela esperança e pela caridade." (S. Antônio)

"Em verdade, em verdade vos digo: todas as vezes que fizestes isto a um destes meus irmãos mais pequeninos, foi a mim mesmo
que o fizestes


47 PASTEL, GUARANÁ E DEUS...


Havia um pequeno menino que queria se encontrar com Deus.
Ele sabia que tinha um longo caminho pela frente. Encheu então,
sua mochila com pastéis e guaraná, e começou sua caminhada.
Quando ele andou umas três quadras, encontrou um velhinho
sentado em um banco da praça olhando os pássaros.
O menino sentou-se junto a ele, abriu sua mochila, e antes de tomar
um gole de guaraná, viu ao lado o velhinho, que estava com "cara"
de fome, e lhe ofereceu um pastel.
O velhinho muito agradecido aceitou, e sorriu ao menino.
Seu sorriso era tão incrível que o menino quis ver de novo, então
ele ofereceu-lhe seu guaraná. Mais uma vez o velhinho sorriu ao
menino.
O menino estava tão feliz!
Ficaram sentados ali sorrindo, comendo pastel e bebendo guaraná
pelo resto da tarde sem falarem um ao outro.
Quando começou a escurecer, o menino sentiu-se cansado, e
resolveu voltar para casa, mas antes de sair ele se voltou e deu um
grande abraço no velhinho.
O velhinho deu-lhe o maior sorriso que o menino já havia recebido.
Quando o menino entrou em casa, sua mãe surpresa, ao ver a
felicidade estampada em sua face, perguntou:
"O que você fez hoje que o deixou tão feliz?
Ele respondeu. "Passei a tarde com Deus", e acrescentou: "Você
sabe? Ele tem o mais lindo sorriso que eu jamais vi".
Enquanto isso, o velhinho chegou em casa com o mais radiante
sorriso na face, e seu filho perguntou:
"Por onde você esteve, que esta tão feliz?"
Ele respondeu:
"Comi pastéis e tomei guaraná no parque com Deus."
Antes que seu filho pudesse dizer algo, ele falou:
"Você sabe que Ele é bem mais jovem do que eu pensava?"
Nunca subestime a força de um sorriso, o poder de uma palavra,
de um ouvido para ouvir, de um honesto elogio, ou até do menor
ato de carinho!
Tudo isso tem o potencial de transformar uma vida.

"Quem acha a Deus acha um tesouro precioso, ou antes, um bem acima de todo o bem."

"Não vos preocupeis com o dia de amanhã: o dia de amanhã terá as suas preocupações próprias. A cada dia basta o seu cuidado".

48. O TEMPO

Imagine que você tenha uma conta bancária e a cada manhã você receba um saldo de R$ 86.400,00. Só que não é
permitido transferir o saldo para o dia seguinte.
Todas as noites o saldo é zerado, mesmo que você não tenha gasto tudo, O que você faria? Certamente você gastaria cada centavo. Pois isso não é imaginação. Você
é um cliente desse banco. Ele se chama "tempo.
Todas as manhãs é creditado 86.400 segundos na sua vida. Todas as noites o saldo é zerado. Não é permitido acumular saldo para o dia seguinte. Todas as manhãs a
sua conta é reiniciada e todas as noites as sobras se evaporam.
E nisso não há volta.
Como você anda gastando esse saldo que Deus credita em sua vida todas as manhãs?
Para você perceber o valor de um ano, pergunte a um estudante que repetiu o ano na escola.
Para você perceber o valor de um mês, pergunte a uma mãe que teve o seu bebê
prematuramente.
Para você perceber o valor de uma semana, pergunte ao diretor de um jornal semanal.
Para você perceber o valor de uma hora, pergunte aos namorados que estão ansiosos por se encontrar.
Para você perceber o valor de um minuto, pergunte a uma pessoa que perdeu o ônibus.
Para você perceber o valor de um segundo, pergunte a uma pessoa que conseguiu evitar um acidente.
Para você perceber o valor de um milésimo de segundo, pergunte a alguém que venceu a medalha de ouro numa olimpíada.
Valorize cada momento que você tem.
Ontem é história,
Amanhã é mistério.
Hoje é dádiva, por isso é chamado de PRESENTE!
"O século compara-se à ponte: passa! Não te demores nela!"
(S. Agostinho)


"Não negligencieis a beneficência e a liberalidade. Estes são sacrifícios que agradam a Deus".

49 AS BÊNÇÃOS QUE POSSUÍMOS


"Tomara que o ano que vem seja melhor. Neste ano não me
aconteceu nada de bom".
Olhei para ver quem acabara de dizer estas palavras e vi uma moça.
Era muito bonita. Vinha com mais duas colegas, abraçando seus
livros e cadernos.
Saíam do portão de um colégio conhecido como um dos melhores,
em nível de ensino.
A moça que disse aquela frase, que me chamou a atenção, olhou
para o seu relógio de pulso e exclamou:
- Puxa! Tenho que me apressar! Hoje é o aniversário de meu
irmãozinho e vamos ter uma festinha lá em casa. Eu prometi
acompanhar minha mãe nas compras do supermercado.
Fez um sinal para o ônibus e despediu-se alegre das amigas. Fiquei
pensando: ela tinha dito que nada de bom lhe acontecera. No entanto,
era jovem, tinha saúde, beleza e um lar onde, pelo menos um
irmãozinho e a mãe a esperavam. Estudava num bom colégio, tinha
amigas e uma alegria de viver que transparecia em todos os seus
gestos. Quantas bênçãos do céu ela possuía, sem notar.
Que pena que isso seja tão comum nas pessoas.

"Deus faz bem ao homem, dando-lhe a graça da consolação; o homem faz mal não atribuindo tudo a Deus, e não lhe dando graças."

"Ainda que eu atravesse o vale escuro, nada temerei, pois estais comigo. A vossa bondade e misericórdia hão de seguir-me por todos os dias da minha
vida".

50 O AMIGO DE DEUS


Um certo mestre tinha à sua volta seus discípulos.
Todos eram muito dedicados e fiéis a ele, que os tratava com atenção
e carinho.
Apesar de tratar todos de forma terna, esse mestre dedicava atenção
especial a um deles.
Não demorou muito para que essa diferença se mostrasse de alguma
forma e os demais discípulos se sentissem enciumados.
Certo dia, o rabi entregou uma pomba branca a cada um deles e
ordenou: "Dispersem-se pelo bosque. No momento em que se
sentirem sozinhos, degolem a pomba. Depois tragam aqui o corpo
dela."
Todos os discípulos fizeram exatamente como ele ordenara; exceto
um, exatamente o preferido do mestre, que voltou com a pomba
viva.
O mestre o inquiriu: "por que não a mataste, descumprindo minha
ordem?"
Ao que ele respondeu: "Mestre, em momento nenhum descumpri a
sua ordem. Se não degolei a pomba é porque não consegui me
sentir sozinho. Tentei em diversas situações, escondendo-me atrás
das árvores, entrando numa caverna, pulando num poço e tudo
mais que pude imaginar.
Mas em todos os lugares que fui, sempre estive acompanhado de
DEUS. Não fiquei a sós em nenhum instante. Por isso não degolei
a pomba."
Então, voltando-se para os demais discípulos, o mestre falou: "Vocês todos são muito fiéis e dedicados e eu os amo com igualdade. Mas dou tratamento diferenciado
a esse, porque ele é AMIGO DE DEUS, de quem NUNCA se separa."

"Só Deus deve ser amado singularmente; porque só Ele é verdadeiro e fidelíssimo, mais que todos os amigos."

"Tudo o que quereis que os homens vos façam, fazei-o vós a eles"

51 A BOMBA D'AGUA


Contam que um certo homem estava perdido no deserto, prestes a
morrer de sede. Foi quando ele chegou a uma casinha velha - uma
cabana se desmoronando - sem janelas, sem teto, batida pelo
tempo.
O homem perambulou por ali e encontrou uma pequena sombra
onde se acomodou, fugindo do calor do sol desértico.
Olhando ao redor, viu uma bomba d'água a alguns metros de
distância, bem velha e enferrujada. Ele se arrastou até ali, agarrou
a manivela, e começou a bombear sem parar.
Nada aconteceu. Desapontado, caiu prostrado para trás e notou
que ao lado da bomba havia uma garrafa. Olhou-a, limpou-a,
removendo a sujeira e o pó, e leu o seguinte recado:
"Você precisa primeiro preparar a bomba com toda a água desta
garrafa, meu amigo. PS.: Faça o favor de encher a garrafa outra
vez antes de partir."
O homem arrancou a rolha da garrafa e, de fato, lá estava a água.
A garrafa estava quase cheia de água!
De repente, ele se viu em um dilema: Se bebesse aquela água
poderia sobreviver, mas se despejasse toda a água na velha bomba
enferrujada, talvez obtivesse água fresca, bem fria, lá no fundo do
poço, toda a água que quisesse e poderia deixar a garrafa cheia
para a próxima pessoa... mas talvez isso não desse certo.
Que deveria fazer? Despejar a água na velha bomba e esperar a
água fresca e fria ou beber a água velha e salvar sua vida?
Deveria perder toda a água que tinha, na esperança daquelas
instruções pouco confiáveis, escritas não se sabia quando?
com relutância, o homem despejou toda a água na bomba. Em
seguida, agarrou a manivela e começou a bombear... e a bomba
começou a chiar. E, nada aconteceu! E a bomba foi rangendo e
chiando. Então surgiu um fiozinho de água; depois um pequeno
fluxo, e finalmente a água jorrou com abundância!
A bomba velha e enferrujada fez jorrar muita, mas muita água fresca
e cristalina.
Ele encheu a garrafa e bebeu dela até se fartar. Encheu-a outra vez para o próximo que por ali poderia passar, arrolhou-a e acrescentou uma pequena nota ao bilhete
preso nela: "Creia-me, funciona! Você precisa dar toda a água antes de poder obtê-la de volta!" Podemos aprender coisas importantes a partir dessa breve história:
1. Nenhum esforço que você faça será válido, se ele for feito da forma errada. Você pode passar sua vida toda tentando bombear algo, mas alguém já tem reservada
a solução para você. Preste atenção à sua volta! Deus está sempre pronto a suprir sua
necessidade!
2. Ouça atentamente o que Deus tem a lhe dizer, através da Bíblia e confie. Como esse homem, nós temos as instruções por escrito à nossa disposição. Basta
usar.
3. Saiba olhar adiante e compartilhar! Aquele homem poderia ter se fartado e ter esquecido, de que outras pessoas que precisassem da água pudessem passar
por ali.
Ele não se esqueceu de encher a garrafa e ainda soube dar uma
palavra de incentivo.
Preocupe-se com quem está próximo a você, lembre-se: você só poderá obter água, se a der antes. Cultive seus relacionamentos, dê o melhor de si!
"Onde há caridade e amor, aí se encontra a assembléia dos santos."
(S. Agostinho)


"Quem dentre vós dará uma pedra a seu filho, se este lhe pedir pão? Se vós, pois, que sois maus sabei dar boas coisas a
vossos filhos, quanto mais vosso Pai celeste
dará boas coisas aos que lhe pedirem."


52 O ERRO DA LANTERNA


No princípio do século, certo guarda-linha devia cuidar do bom Acionamento de uma seção da linha da ferrovia Paris-
Hamburgo.
No final da tarde, ele tinha deixado
sua mulher em casa, depois de terem ambos pedido a proteção de Deus. Não foi em vão, como veremos.
O guarda linha circulava ao longo dos trilhos para certificar-se do seu
bom estado. De repente, foi assaltado por dois bandidos que lhe ataram as mãos e os pés,
amordaçaram-no e colocaram-no sobre os trilhos.
O trem ia passar em alguns instantes e o pobre homem estava incapacitado de mover-se e de gritar. Só podia invocar a Deus silenciosamente. "Invoca-me no dia da angústia,
eu te livrarei, e tu me glorificarás (SL 50.15).
Sem saber porque, sua mulher sentiu-se muito inquieta. "Ele deve estar
com frio", pensou ela. "Vou levar-lhe um pouco de café". Desceu até a casinha na qual o seu
marido devia colocar as lanternas de caminho livre, mas não o achou. Chamou-o em vão, enquanto o trem se aproximava.
Pegou, equivocadamente, a lanterna que se usa para ordenar a parada do trem em lugar da que se utiliza para indicar caminho livre, e, ao chegar a via, involuntariamente
fez com que o trem parasse.
A mulher explicou ao maquinista que não encontrava o marido.
Procuraram juntos e o encontraram sobre o trilho.
Rapidamente libertado, o guarda-linha voltou à casa são e salvo.
Não tiveram razão de se colocarem diante de Deus, pedindo a Sua
proteção?
Quem se serviu do erro da mulher para salvar o seu marido?
Deus tem seus caminhos para livrar os seus filhos.
Vemos aqui o quão é importante a oração. Seja antes de sair, ou
durante a aflição. Ele sempre responde, não importa qual seja o
problema. Deus é maior que todo o problema do mundo.

"Quem rogou a Deus e Ele não concedeu? Quem acreditou em Deus e Ele não escutou?" (S. Agostinho)


"Estrelas do céu, bendizei ao Senhor, louvai-O e exaltai-O eternamente."


53 EXISTÊNCIA DE DEUS


Conta-se que um velho árabe analfabeto orava com tanto fervor e com tanto carinho, a cada noite, que certa vez, o rico chefe da grande caravana chamou-o à sua
presença e lhe perguntou:
- Por que oras com tanta fé? Como sabes que Deus existe, quando nem ao menos sabes ler?
O crente fiel respondeu:
- Grande senhor, conheço a existência do Nosso Pai Celeste pelos Seus sinais.
- Como assim? - indagou o chefe, admirado. O servo humilde se explicou:
- Quando o senhor recebe uma carta de uma pessoa ausente, como reconhece quem a escreveu?
- Pela letra.
- Quando o senhor recebe uma jóia, como é que se informa quanto ao seu autor?
- Pela marca do ourives.
O empregado sorriu e acrescentou:
- Quando ouve passos de animais, ao redor da tenda, como sabe depois, se foi um carneiro, um cavalo ou um boi?
- Pelos rastros - respondeu o chefe, surpreendido.
Então, o velho crente convidou-o para acompanhá-lo fora da barraca e, mostrando-lhe o céu, onde a lua brilhava, cercada por milhões de estrelas, exclamou, respeitoso:
- Senhor, aqueles sinais, lá em cima, não podem ser dos homens! Nesse momento, o orgulhoso caravaneiro, de olhos lacrimosos, ajoelhou-se na areia e começou a orar
também.

"As emoções não se acendem facilmente quando a alma está totalmente absorta em coisas materiais." (S. Agostinho)

"Em verdade vos digo: esta pobre viúva doou mais do que todos os que lançaram no cofre, porque todos doaram do que tinham em abundância; esta, porém, pôs, da sua
indigência,
tudo o que tinha para o seu sustento".


54 A GRATIDÃO

O homem por detrás do balcão, de forma distraída, olhava a rua. Uma garotinha se aproximou da loja e amassou o narizinho contra o vidro da vitrine. Os olhos da cor
do céu, brilhavam quando viu um determinado objeto. Entrou na loja e pediu para ver o colar de turquesa azul.
- É para minha irmã. Pode fazer um pacote bem bonito? Diz ela. O dono da loja olhou desconfiado para a garotinha e lhe perguntou:
- Quanto de dinheiro você tem?
Sem hesitar, ela tirou do bolso da saia um lenço todo amarradinho e desfez os nós. Colocou-o sobre o balcão e feliz, disse:
- Isso dá?
Eram apenas algumas moedas que ela exibia orgulhosa.
- Sabe, quero dar este presente para minha irmã mais velha. Desde que morreu nossa mãe ela cuida da gente e não tem tempo para ela. É aniversário dela e tenho certeza
que ficará feliz com o colar que é da cor dos seus olhos.
O homem foi para o interior da loja, colocou o colar em um estojo, embrulhou com um vistoso papel vermelho e fez um laço caprichado com uma fita verde.
Tome! - disse para a garota.- Leve com cuidado! A menina saiu feliz, saltitando pela rua abaixo.
Ainda não acabara o dia quando uma linda jovem de cabelos loiros com
olhos azuis entrou na loja. Colocou sobre o balcão o já conhecido embrulho desfeito e indagou:
l Esse colar foi comprado aqui?
Sim senhora.
-E quanto custou?

- Ah!, falou o dono da loja. O preço de qualquer produto da minha loja é sempre um assunto confidencial entre o vendedor e o cliente. A moça continuou:
- Mas minha irmã tinha somente algumas moedas! O colar é verdadeiro, não é? Ela não teria dinheiro para pagá-lo!
O homem tomou o estojo, refez o embrulho com extremo carinho, colocou a fita e o devolveu a jovem.
- Ela pagou o preço mais alto que qualquer pessoa pode pagar. ELA DEU TUDO O QUE TINHA!
O silêncio encheu a pequena loja e duas lágrimas rolaram pela face da jovem emocionada, enquanto suas mãos tomavam o pequeno embrulho.
"A verdadeira doação é dar-se por inteiro, sem restrições. A gratidão de quem ama não coloca limites para os gestos de ternura. Seja sempre grato, mas não espere
pelo reconhecimento de ninguém. A gratidão com amor não apenas aquece quem recebe, como reconforta quem oferece."


"Feliz o homem que não procede conforme o conselho dos ímpios. Ele é como a árvore plantada na margem das águas correntes: dá fruto na época própria, sua folhagem
não murchará jamais. Tudo o que empreende, prospera."

55 A JABUTICABEIRA


Um senhor de idade avançada estava cuidando de uma planta, com todo o carinho, quando um jovem aproximou-se dele e perguntou:
- Que planta é esta que o senhor está cuidando?
- É uma jabuticabeira - respondeu o senhor.
- E ela demora quanto tempo para dar frutos?
- Pelo menos uns quinze anos - informou o senhor.
- E o senhor espera viver tanto tempo assim? Indagou, irônico, o rapaz.
- Não, não creio que viva mais tanto tempo, pois já estou no fim da minha jornada - disse o ancião.
- Então, que vantagem você leva com isso, meu velho?
- Nenhuma, exceto a vantagem de saber que ninguém colheria jabuticabas, se todos pensassem como você...
Não importa quanto tempo temos pela frente, quantos dias, meses e até anos. Devemos pensar nos frutos que estes atos trarão, pois tanto faz se veremos ou não o resultado,
mas se não nos movermos em direção ao futuro que teremos, com certeza nos perderemos no caminho.

"O que você fizer pelo próximo é o que Deus fará por você. Doe-se ao seu próximo e então Deus estará com você." (S. Agostinho)

"Vós me chamais Mestre e Senhor, e dizeis bem, porque eu o sou. Dei-vos o exemplo para que, como eu vos fiz, assim façais também vós".

56 SER COMO O MESTRE

Um menino, numa pequena cidade da Itália, lascava madeira.
Um dia, ele e seus coleguinhas estavam na rua, pedindo dinheiro
por aquilo que faziam. Um menino tocava violino e seu irmão
cantava, enquanto Antônio fazia pequenos objetos de madeira.
Parou um homem, distinto, para ouvir o menino cantar; depois,
colocou uma moeda de ouro em suas mãos.
O garoto gritou: "O grande Amati, maior construtor de violinos da
Itália, deu-nos uma moeda de ouro!" Foi uma euforia!
Antônio não se satisfez com aquele encontro; quis conhecer mais
de perto o construtor de violinos.
Como era um menino resoluto, Antônio venceu as barreiras que
lhe eram impostas, e chegou à presença de Amati.
Disse-lhe: "Não sei tocar ou cantar, mas gosto de música e imagino
que seria capaz de construir violinos.
Veja, aqui estão alguns objetos de madeira, que fiz com a minha
faca."
O grande homem passou o seu olhar atento, dos objetos para a
face ansiosa e os expressivos olhos castanhos de Antônio, e disse:
"Venha à minha oficina, moço, e lhe darei uma oportunidade para
aprender a se tornar um construtor de violinos.
Qual é o seu nome?"
"Antônio Stradivárius", respondeu prontamente Antônio.
Assim Antônio tomou-se aluno de Amati e trabalhou dia após dia
na sua oficina.
Uma das primeiras coisas que o seu professor lhe ensinou foi que a
paciência para fazer, com perfeição uma peça, ainda que pequenina, tinha mais valor do que a construção de um violino todo em pouco
tempo.
Alguns anos se passaram e Antônio, já sendo um construtor de
violinos, aperfeiçoou tanto o som e a beleza do violino que ele se
tornou o melhor construtor de violinos de todo o mundo.
Ser como o Mestre exige paciência, disciplina e dedicação total!
"Sem trabalho não se chega ao descanso, sem peleja não se consegue a vitória."

Essa obra foi digitalizada informalmente por Maria José Damiéri
Gomes, em Agosto de 2008.


(c) 2003 by Pd. Marcelo Rossi Todos os direitos reservados
FICHA TÉCNICA
Supervisão Editorial: Orlando F. Braga Filho Diagramação/Arte final: Maurício Corrêa
Capa: Maurício Corrêa
Fotolitos: Newlaser Fotolitos Gráficos Ltda. Impressão Gráfica: Fotolaser Gráfica e Editora Ltda.
Editora Novo Rumo
Rua Rodrigo Otávio, 945 CEP 80040-230
Curitiba/PR Tel: (41) 262-3750
e-mail: novorumo@terra.com.br--
Visite também nossa comunidade no Orkut:
http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=14404700

Para entrar em contato com a moderação envie email para:
moderacao-CantinhoDaLeitura@googlegroups.com

Para postar neste grupo, envie um e-mail para
CantinhoDaLeitura@googlegroups.com

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para
CantinhoDaLeitura-unsubscribe@googlegroups.com

Para ver mais opções, visite este grupo em
http://groups.google.com.br/group/CantinhoDaLeitura

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário